Mal de Alzheimer: cientistas canadenses conseguem reverter a doença

sintomas-do-mal-de-alzheymersintomas-do-mal-de-alzheymer

Cientistas da Univerisidade de Toronto, no Canadá, conseguiram reverter o Alzheimer em pacientes com a doença, há mais de um ano.

Os cientistas usaram a técnica de estimulação cerebral profunda, com eletrodos, para aplicar pulsos de eletricidade diretamente no cérebro, como noticiamos aqui no SoNoticiaBoa em novembro passado, antes da publicação da descoberta.

Pesquisadores liderados por Andres Lozano, aplicaram a técnica em seis pacientes.

Em dois deles, a deterioração da área do cérebro associada à memória não só parou de encolher como voltou a crescer. Nos outros quatro, foi parado o processo de deterioração.

Nos portadores de Alzheimer, a região do cérebro conhecida como hipocampo é uma das primeiras a encolher.

O centro de memória funciona no hipocampo, convertendo as memórias de curto prazo em memórias de longo prazo.

A degradação do hipocampo revela alguns dos primeiros sintomas da doença, como a perda de memória e a desorientação.

A equipe de  cientistas  instalou os dispositivos no cérebro de seis pessoas que tinham sido diagnosticadas com Alzheimer, há, pelo menos, um ano.

Após 12 meses de estimulação, um dos pacientes teve um aumento do hipotálamo de 5 por cento e, outro, 8 por cento.

Esta descoberta pode levar a novos caminhos para tratamentos de Alzheimer, uma vez que é a primeira vez que foi revertida a doença.

Os cientistas têm, contudo, ainda de conhecer mais sobre o modo como a estimulação funciona no cérebro.

Com informações da BBC

Leia também:

Aplicativo ajuda pacientes com Alzheimer a relembrar pessoas

Remédio que pode conter Alzheimer passa na revisão: está mais perto

Substância contra Alzheimer é descoberta em planta do Pará: Cumaru

Tratamento que reverteu o Alzheimer em 6 pessoas será testado nos EUA 

Alzheimer: descoberta substância que congela a doença e recupera a memória 

O conteúdo do SóNotíciaBoa é protegido. Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.