Tecido anti-bactéria pode acabar com infecção hospitalar

Foto: Nati Shohat/Flash90Foto: Nati Shohat/Flash90

Uma empresa Israelense descobriu uma forma de fazer com que qualquer tecido seja antibactérias.

A descoberta poderá acabar com o grande problema da infecção hospitalar.

A descoberta da Nano Textile pode acabar com bactérias nocivas à saúde e ajudar no tratamento e prevenção de doenças e infecções.

A empresa fala também da possibilidade de fabricar roupas médicas/hospitalares, porque o tecido impede o crescimento de bactérias em fibras naturais e sintéticas.

Isso reduziria a contaminação nos contatos entre médicos e pacientes.

“Em um ambiente hospitalar, por exemplo, a nossa tecnologia pode ser usada para a inserção de características anti-bacterianas em uniformes, pijamas dos pacientes, roupa de cama, cobertores e cortinas, para reduzir significativamente a morbidade e mortalidade e paralelamente reduzir os custos de hospitalização”, afirma o pesquisador Gedanken, que criou a empresa em 2014.

Mortes

As infecções bacterianas adquiridas durante internações médicas são uma das principais causas de doença e mortes.

A Organização Mundial de Saúde estima que mais de 500 milhões de pessoas no mundo estão infectadas durante a hospitalização, uma percentagem elevada causada por bactérias altamente resistentes, como a MRSA.

Estas infecções matam aproximadamente 14 milhões de pessoas todos os anos no mundo inteiro.

As infecções fazem a saúde ficar mais cara, já que elevam o tempo de recuperação e o paciente gasta mais.

Patente

A nova tecnologia já foi patenteada nos Estados Unidos.

Israel aguarda aprovação na Europa e Ásia.

O autor foi o pesquisador Aharon Gedanken do Departamento de Química da Universidade de Bar-Ilan, Israel.

O projeto teve financiamento de 12 milhões de Euros – quase 48 milhões de reais – de programas de pesquisa da União Europeia.

Com informações: timesofisrael

Tradução: Rodrigo Lins – Correspondente SNB nos Estados Unidos

O conteúdo do SóNotíciaBoa é protegido. Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.