Tetraplégico recupera movimentos: teste com células-tronco

Fotos: 9GAG.comFotos: 9GAG.com

Um tratamento com células-tronco fez um jovem tetraplégico recuperar os movimentos de sua parte superior do corpo apenas dois meses depois da terapia.

O trabalho surpreendente foi feito por neurocientistas do Centro Médico da USC Keck, nos EUA, e anunciado pelo site ScienceDaily.

A matéria diz que a equipe de médicos tornou-se a primeira na Califórnia a injetar um tratamento experimental feito a partir de células-tronco, AST-OPC1, na coluna cervical danificada de um homem recentemente paralisado.

Em 6 de março, pouco antes de seu aniversário de 21 anos, Kristopher (Kris) Boesen, de Bakersfield, sofreu uma lesão traumática na sua coluna cervical quando seu carro derrapou em uma estrada molhada, bateu em uma árvore e em um poste de telefone.

Os pais,Rodney e Annette Boesen, foram avisados que havia uma boa chance de seu filho ficar permanentemente paralisado do pescoço para baixo.

No entanto, eles também souberam que Kris poderia qualificar-se para um estudo clínico que poderia ajudar.

Melhora

Duas semanas após a cirurgia, Kris começou a mostrar sinais de melhora.

Três meses depois, ele é capaz de alimentar-se, usa seu telefone celular, escrever seu nome, operar uma cadeira de rodas motorizada e abraçar seus amigos e familiares.

A melhoria da sensação e do movimento em ambos os braços e nas mãos também tornaram mais fácil para Kris cuidar de si mesmo, e a imaginar uma vida mais independente.

“A partir de 90 dias pós-tratamento, Kris ganhou uma melhoria significativa em sua função motora, até dois níveis da medula espinhal”, disse Liu.

“No caso de Kris ‘, dois níveis da medula espinhal significa a diferença entre usar as mãos para escovar os dentes, operar um computador ou fazer outras coisas que não seria capaz de fazer.

tetraplegico-celulas-tronco-close-2

Como

Líder da equipe cirúrgica e trabalhando em colaboração com o Rancho Los Amigos National Rehabilitation Center e Keck Medicine of USC, o PhD Charles Liu – diretor do USC Neurorestoration Center – injetou uma dose experimental de 10 milhões de células AST-OPC1 diretamente na medula espinhal cervical de Kris, no início de abril.

“Com este estudo, estamos testando um procedimento que pode melhorar a função neurológica, o que poderia significar a diferença entre ser permanentemente paralisado e ser capaz de usar os braços e as mãos. Restaurar esse nível de função poderia melhorar significativamente a vida diária de pacientes com lesões na coluna vertebral graves”, disse.

Com informações do ScienceDaily

O conteúdo do SóNotíciaBoa é protegido. Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.