Wagner Moura faz campanha contra escravidão: #AssinaBrasil

Wagner Moura - Foto: OIT / ReproduçãoWagner Moura - Foto: OIT / Reprodução

“Sua assinatura é a maior arma contra a escravidão moderna”, um mal que atinge 21 milhões de pessoas, que trabalham até à exaustão, muitas vezes em troca de um prato de comida, ou um lugar para dormir.

O apelo, gravado pelo ator Wagner Moura, faz parte de uma campanha para que o Brasil assine um protocolo internacional para acabar com o trabalho escravo.

A campanha “50 For Freedom”- “50 pela Liberdade”, em tradução livre – pretende conseguir que 50 países assinem um protocolo sobre trabalho forçado criado em 2014.

Por enquanto, apenas 13 países assinaram.

A bandeira está sendo levantada pela OIT, Organização Internacional do Trabalho e busca assinaturas por aqui.

A campanha contra a escravidão moderna foi lançada nesta terça-feira, 9, em Brasília, enquanto tramita na Câmara dos Deputados um projeto de um deputado tucano para regulamentar o trabalho rural.

Na Câmara

A proposta, muito criticada nas redes sociais, é do deputado Nilson Leitão (PSDB-MT), presidente da Frente Parlamentar Mista da Agropecuária.

Críticos dizem que o projeto dele é uma possível legalização do trabalho escravo no Brasil.

O parlamentar nega, mas pressionado pela opinião pública o tucano recuou.

Por causa da repercussão negativa, ele disse ao G1 que pedirá ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para não instalar a comissão especial destinada a analisar a proposta.

Segundo ele, após um “amplo debate”, o texto será reapresentado com mudanças de redação.

#AssinaBrasil

O vídeo gravado pelo ator Wagner Moura, um dos embaixadores da OIT, pede sua ajuda e ensina como você pode fazer para colaborar.

Tem que tirar uma foto da sua assinatura e postar nas redes sociais com a hashtag #AssinaBrasil.

A criação da campanha é da agência Nova/SB.

Foto: OIT / reprodução

Foto: OIT / reprodução

Assista ao vídeo:

Com informações da Exame e G1

O conteúdo do SóNotíciaBoa é protegido. Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.