População de abelhas volta a crescer após 20 anos em queda

Foto: PixabayFoto: Pixabay

Uma excelente notícia chega dos EUA: a população de abelhas voltou a crescer, após 20 anos em queda. Para alívio do mundo e dos fãs da série Black Mirror – que criou drones para substituir abelhas que haviam sido extintas num episódio.

A informação é importante porque cerca de um terço dos alimentos que consumimos são polinizados por colônias de abelhas, ou seja, elas são absolutamente vitais para a agricultura e para a sobrevivência do homem.

Nos últimos anos, as populações de abelhas em todo o mundo caíram muito, quase ao ponto de extinção, devido ao chamado transtorno do colapso da colônia (CCD).

Esse fenômeno ocorre quando as abelhas operárias deixam a colmeia e a abelha rainha fica com um pequeno número de abelhas “enfermeiras” para aumentar o número de larvas.

As colmeias de abelhas são ecossistemas altamente colaborativos. Não podem funcionar sem as abelhas operárias e não há quem faça o trabalho delas quando deixam a colmeia.

Crescimento

Felizmente esse quadro começa a se reverter.

O Departamento de Agricultura dos EUA informou que as populações de abelha voltaram a crescer. Pouco, mas estão crescendo.

Aumentaram em três por cento desde abril de 2016, após 20 anos em queda.

O USDA também disse que perdemos 27 por cento menos colônias durante o inverno de 2017 do que no ano anterior.

Para ajudar as populações de abelhas em crescimento, a Agência de Proteção Ambiental está planejando proibir certos pesticidas utilizados nas principais áreas de polinização.

Enquanto os apicultores e os cientistas ficam vigilantes para proteger as abelhas, as estatísticas são motivo de otimismo.

Como salvar

Você pode fazer sua parte, mesmo que more em casa ou apartamento.

Um especialista ensina que um simples vaso com flores na janela já serve de alimento para as abelhas continuarem sua existência magnífica na face da terra. Leia aqui

Com informações do GoodNet

O conteúdo do SóNotíciaBoa é protegido. Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.