Dormir bem deixa as pessoas menos medrosas, diz estudo

Foto: PixabayFoto: Pixabay

Que dormir bem ajuda a emagrecer, deixa a pessoa mais feliz e afasta a depressão a gente já sabia. A novidade agora é que uma boa noite de sono também pode ajudar a superar experiências traumáticas.

Pesquisadores norte-americanos descobriram que além de recarregar as baterias, o sono deixa as pessoas menos medrosas – com menos medo de que as coisas possam dar errado. É um mecanismo de proteção do cérebro.

É o que indica uma nova pesquisa da Universidade Rutgers, nos EUA, publicada no The Journal of Neuroscience.

A experiência revelou que quem dormia mais e melhor mostrou menor atividade em áreas do cérebro como a amígdala, região que controla o medo, além do córtex pré-frontal ventromedial e do hipocampo, responsáveis por fixar as memórias.

Isso significa que os descansados estavam sendo menos afetados pelas experiências traumáticas — ou seja, se tornaram mais resilientes aos choques.

De acordo com os cientistas, a explicação está na presença de uma substância que só o sono saudável é capaz de fazer nosso corpo liberar naturalmente.

Por contar com doses mais altas de norepinefrina, hormônio que regula aspectos como o humor e ansiedade, quem dormia bem conseguia passar ileso pela provocação chocante dos cientistas.

A pesquisa

Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores realizaram um experimento com 17 pessoas.

Durante uma semana, elas tiveram seu tempo no colchão monitorado, graças a ajuda de ferramentas como um capacete para medir suas ondas cerebrais e um gadget que servia para acompanhar os movimentos dos braços — além da boa e velha planilha de controle, onde as cobaias tinham que anotar o total de horas dormidas.

O que mais interessava os pesquisadores era o tempo em que os voluntários passavam na fase REM (sigla em inglês para Movimento Rápido do Olhos), momento do sono em que mais estamos relaxados e experienciamos os sonhos.

É nessa etapa, também, que a atividade do cérebro mais se aproxima da registrada quando estamos despertos.

Cada participante registrou uma média normal de sono, entre 7 e 8 horas, com duas horas de fase REM.

Os pesquisadores, então, partiram para a segunda etapa, que consistia em induzir certo medo nas cobaias.

Funcionava assim: cada um dos voluntários via uma sequência de imagens de quartos iluminados com cores diferentes.

Quando olhavam para a foto com determinada cor (vermelho, por exemplo), eles tomavam um choque leve no dedo.

Isso fez com que eles se tornassem receosos em relação a certas cores, que passaram a ser associadas com as incômodas descargas elétricas.

Com informações do The Journal of Neuroscience.

O conteúdo do SóNotíciaBoa é protegido. Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.