Do fundo do poço, na Cracolândia, a empresária de doces

Desirée Mendes - Foto: Gui Christ/BBC BrasilDesirée Mendes - Foto: Gui Christ/BBC Brasil

Sim, é possível recuperar e acreditar em pessoas que chegaram ao fundo do poço. Uma nova prova é a história de superação a confeiteira Desirée Mendes, que agora volta à cracolândia, em São Paulo, para abrir seu próprio negócio.

Desirée usou crack durante 22 anos, 16 deles morando na cracolândia. Ela foi internada para tratamento 19 vezes e presa outras 11.

Ela foi salva na última prisão quando descobriu que o ex-companheiro, pai do filho que carregava na barriga, estava infectado com o vírus HIV. Desirée comprou R$ 100 em pedras de crack para fumá-las até morrer e não conseguiu porque foi para a cadeia.

Continue Lendo