Células-tronco regeneram corações doentes em macacos

Foto: PixabayFoto: Pixabay

Células-tronco embrionárias humanas, injetadas em macacos com corações danificados, ajudaram a recuperar a capacidade de bombeamento para quase 90% do funcionamento normal.

O estudo feito pela Universidade de Washington foi publicado na revista Nature Biotechnology.

A técnica é uma promessa para pacientes com insuficiência cardíaca, a principal causa de mortes em todo o mundo.

A pesquisa também lança luz sobre um dos assuntos mais complicados sobre o coração, as arritmias, ou batimentos cardíacos irregulares, o que abre caminho para a prevenção.

A pesquisa

Após ataques cardíacos, os macacos recuperaram parte da capacidade de bombeamento que seus corações perderam.

Tudo isso, após receberem as células-tronco embrionárias humanas.

Os cientistas tentaram durante anos desenvolver um tratamento com células-tronco para doenças cardíacas causadas pela falta de fluxo sanguíneo, o que contribuiu para mais de 9,4 milhões de mortes em todo o mundo em 2016, segundo a Organização Mundial de Saúde.

A pesquisa quer eliminar vários obstáculos antes que o estudo possa ser testado em humanos.

“Estamos falando sobre a causa número um de mortes no mundo”, disse o autor do estudo Dr. Charles Murry, diretor do Instituto de Células-Tronco e Medicina Regenerativa da Universidade de Washington.

“E no momento todos os nossos tratamentos estão longe do problema da raiz: que você não tem células musculares suficientes.”

Testes

Depois de induzir ataques cardíacos em macacos, o percentual de sangue bombeado para os corações deles caiu de cerca de 70%, o que é normal, para cerca de 40% mais fraco.

Um mês depois, cinco macacos que receberam células-tronco embrionárias humanas recuperaram 10,6 pontos percentuais em média, contra apenas 2,5 no grupo de controle.

Dois dos macacos continuaram a melhorar: tiveram um adicional de 12,4 pontos percentuais em média nos próximos dois meses.

O estudo inicialmente envolveu 17 macacos, mas excluiu oito .”Devido a complicações, apenas um deles estava relacionado ao tratamento celular”, escreveram os autores.

“Parece que os enxertos que estamos colocando estão se comportando como marcapassos biológicos”, disse Murry sobre as descobertas de sua equipe.

“O coração funciona com correntes elétricas. Isso significa que qualquer coisa em que você infiltra, você tem que ligar as células eletricamente a outras células e, assim, bater em uníssono”, disse Gearhart.

Este é um problema que Murry disse que sua equipe precisa resolver antes de alcançar sua meta de se antecipar aos testes humanos até 2020.

Com informações da CNN

O conteúdo do SóNotíciaBoa é protegido. Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.