Brasileiros encontram fósseis de nova espécie de dinossauro

Foto: Divulgação UFSMFoto: Divulgação UFSM

Três fósseis preservados de uma nova espécie de dinossauro vegetariano foram encontrados em Agudo, no Rio Grande do Sul.

As ossadas foram analisadas por Rodrigo Temp Müller e Sérgio Dias da Silva, ambos da Universidade Federal de Santa Maria, e por Max Cardoso Langer, da Universidade de São Paulo de Ribeirão Preto.

Ele foi chamado de Macrocollum itaquii. Em grego, “makrôs” significa grande, e “collum” é a palavra “pescoço” em latim. O bicho é parente distante dos Saurópodes – dinossauros de pescoço longo que tinham quatro patas.

Estima-se que ele tenha vivido há 225 milhões de anos, antes do surgimento de dinossauros gigantes.

Segundo os paleontólogos, o novo dinossauro é o mais antigo Sauropodomorpha já conhecido. Ele tinha duas patas e sua anatomia dentária aponta que era herbívoro, alimentando-se de samambaias e gimnospermas.

O animal teria pescoço longo e atingia até 3,5 metros de comprimento.

As vértebras cervicais indicam que o pescoço da espécie foi alongando com o tempo, em um processo chamado “girafização”, facilitando o alcance de folhas cada vez mais altas.

Isso teria acontecido entre 233 e 225 milhões de anos atrás, conforme indica a datação de rochas gaúchas onde estavam os esqueletos.

“Os dinossauros Sauropodomorpha aumentaram seu tamanho em uma proporção de 230% e seu pescoço longo típico também cresceu, tornando-se duas vezes maior”, detalhou a pesquisa.

Animal sociável

O dinossauro tinha um crânio pequeno, medindo metade do tamanho de seu fêmur. Para os paleontólogos, isso é resultado do “crescimento alométrico”, quando as partes do corpo mudam de tamanho e seguem proporções distintos.

O estudo também indica que o bicho era sociável, optando por viver em grupos. Uma das justificativas é que os três fósseis foram encontrados juntos.

O animal foi chamado de Macrocollum itaquii – em grego, “makrôs” significa grande, e “collum” quer dizer “pescoço” em latim.

O bicho é parente distante dos Saurópodes – dinossauros de pescoço longo que tinham quatro patas.

Os pesquisadores  encontraram os esqueletos do Macrocollum quase completos. Com isso, esperam estudar como os Saurópodes cresceram tanto.

“A nova espécie permite a definição de um conjunto de alterações anatômicas que moldaram a evolução do Sauropodomorpha”, descreveu a pesquisa, publicada na revista Biology Letters.

 

Macrocollum itaquii ou dinossauro brasileiro Foto: Divulgação

Macrocollum itaquii ou dinossauro brasileiro Foto: Divulgação

Foto: Divulgação/UFSM

Foto: Divulgação/UFSM

Com informações da Galileu

Espalhe notícia boa nas suas redes sociais. Siga o SNB no Facebook, TwitterInstagram e Youtube

O conteúdo do SóNotíciaBoa é protegido. Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.