Chanel acaba com couro exótico e peles nas roupas

Foto: Chanel/InstagramFoto: Chanel/Instagram

A Chanel anunciou esta semana que vai banir o uso de couros exóticos como crocodilo, lagartos, cobra e arraia, além de pele de animais em suas coleções.

A decisão já refletiu no desfile desta terça-feira, 4, no Metropolitan Museum of Art, em Nova York, onde a Chanel apresentou a coleção Metiers d’Art. O material das roupas, que parecia couro de lagarto, na verdade era feito de abacaxi, o chamado couro vegano.

Bruno Pavlovsky, presidente da grife, citou a dificuldade em garantir fontes éticas e responsáveis destes materiais, que seguissem seus padrões de qualidade.

Ele informou que a Chanel agora vai voltar toda a sua pesquisa para o desenvolvimento de tecidos e couros gerados pela indústria agri-food, que cuida da produção de alimentos pela agricultura em vez de fazer caça, pesca e afins.

A decisão pegou a indústria de surpresa: o movimento pelo fim do uso de couros exóticos na moda tem tido menos destaque se comparado com a campanha pelo fim do uso de pele animal pelas marcas.

Comemoração

Segundo a PeTA,  uma organização de proteção dos animais, muitas vezes estes materiais vem de fontes ilegais.

A ONG comemorou a decisão da grife francesa e disse que o anúncio é um bem-vindo, um estímulo para outras grandes grifes seguirem na mesma direção, como aconteceu com o uso da pele.

No último ano, Versace, Burberry, Gucci, Coach e diversas outras marcas vem assumindo o compromisso fur free – livre de peles.

Além da dificuldade de manter seu padrão de qualidade em couros e garantir fontes éticas, a decisão da Chanel está perfeitamente alinhada com um novo perfil de consumo, pelos millenials e pela geração-Z, que prefere consumir de forma sustentável, buscando informações sobre a produção do que consome.

Segundo Pavlovsky, o futuro dos produtos de luxo da Chanel virá dos ateliês da grife.

Com informações da Vogue e Glamurama

Fotos: reprodução / Instagram

Fotos: reprodução / Instagram

Espalhe notícia boa nas suas redes sociais. Siga o SNB no Facebook, TwitterInstagram e Youtube

O conteúdo do SóNotíciaBoa é protegido. Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.