Diabéticos: coquetel produz 40 vezes mais insulina

Foto: PixabayFoto: Pixabay

Esperança para diabéticos. Um coquetel de drogas recém-desenvolvido faz com que as células produtoras de insulina se multipliquem. Uma descoberta que pode levar à cura da doença, afirmam pesquisadores dos EUA.

A equipe, da Escola de Medicina Icahn do Hospital Mount Sinai, em Nova York, já havia descoberto que uma droga chamada harmina poderia sobrecarregar as células do pâncreas para produzir 10 vezes mais células beta produtoras de insulina por dia.

Mas quando a harmina foi administrada em combinação com uma segunda droga – normalmente usada para aumentar o crescimento ósseo – 40 vezes mais células beta se formaram por dia.

Pessoas com diabetes têm uma escassez de células beta, que produzem insulina. Sem insulina suficiente, eles são incapazes de processar adequadamente a glicose.

Divisor de águas

A droga é experimental e está em estágios iniciais de testes.

Os pesquisadores acham que seu efeito poderoso sobre as células produtoras de insulina pode ser um divisor de águas no tratamento de diabetes tipo 1 e tipo 2.

A equipe identificou uma segunda classe de drogas que faz com que as células beta humanas se repliquem rapidamente quando administradas em combinação com a harmina.

Sem intervenção de drogas, as células beta replicam a uma taxa média de 0,2 por cento por dia.

Quando a harmina é administrada, a taxa é de dois por cento por dia. Mas quando a harmina é administrada em combinação com a nova droga, essa taxa aumenta para entre cinco e oito por cento ao dia.

Segundo o principal autor do estudo, Andrew Stewart, diretor do Instituto de Metabolismo, Obesidade e Metabolismo de Mount Sinai, nenhuma droga disponível para o diabetes regenera as células beta em pacientes com a doença.

“Estamos muito entusiasmados com esta nova observação porque, pela primeira vez, somos capazes de ver as taxas de replicação de células beta de células humanas que são suficientes para repor a massa de células beta em seres humanos”, disse Stewart.

“Descobrimos uma combinação de drogas que faz com que as células beta se regenerem em taxas adequadas para o tratamento. O próximo grande obstáculo é descobrir como entregá-los diretamente ao pâncreas”, revelou.

O Dr. Stewart diz que um desafio, no entanto, é que essa combinação de drogas tenha efeitos em outros órgãos, embora ele não tenha especificado quais eram esses efeitos.

“Agora precisamos desenvolver métodos para entregar essas drogas especificamente para a célula beta em humanos”, concluiu.

Com informações do Daily Mail

Espalhe notícia boa nas suas redes sociais. Siga o SNB no Facebook, TwitterInstagram e Youtube

O conteúdo do SóNotíciaBoa é protegido. Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.