Fim das rugas: descobertas células que ajudam a rejuvenescer

Foto|: Reprodução MdeMulherFoto|: Reprodução MdeMulher

Um novo estudo científico pode reverter e acabar com as rugas da pele e deixar estas preocupações no passado.

Pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade da Califórnia, em San Diego, identificaram um tipo especializado de célula localizada profundamente na pele, que gera tecido conjuntivo e ajuda a pele a se recuperar de ferimentos.

As células, chamadas de fibroblastos dérmicos, têm a capacidade de se converter em células de gordura que residem sob a derme, dando à pele uma aparência gorducha e juvenil e produzindo um peptídeo que desempenha um papel crítico no combate a infecções.

Em um estudo publicado no Immunity esta semana, os pesquisadores mostram como os fibroblastos se desenvolvem em células de gordura e identificam o caminho que faz com que esse processo cesse à medida que as pessoas envelhecem.

“Nós descobrimos como a pele perde a capacidade de formar gordura durante o envelhecimento”, disse Richard Gallo, presidente do Departamento de Dermatologia da UC San Diego School of Medicine e autor sênior de estudo.

“A perda da capacidade de os fibroblastos se converterem em gordura afeta a forma como a pele combate infecções e influenciará a aparência da pele durante o envelhecimento.”

Uma proteína que controla muitas funções celulares, chamada fator de crescimento transformador beta (TGF-β), impede que os fibroblastos dérmicos se convertam em células adiposas e impede que as células produzam um peptídeo antimicrobiano que ajuda a proteger contra infecções bacterianas.

“Os bebês têm muito desse tipo de gordura sob a pele, tornando sua pele inerentemente boa em combater alguns tipos de infecções. Fibroblastos dérmicos envelhecidos perdem essa capacidade e a capacidade de formar gordura sob a pele ”, disse Gallo.

“A pele com uma camada de gordura sob ela parece mais jovem. Quando envelhecemos, a aparência da pele tem muito a ver com a perda de gordura ”.

Testes

Os pesquisadores usaram bloqueadores químicos em ratos para inibir a via do TGF-β, fazendo com que a pele retornasse a uma função mais jovem e permitindo que os fibroblastos dérmicos se convertessem em células adiposas.

Desligar o caminho em ratos por técnicas genéticas teve o mesmo resultado.

Compreender o processo biológico que leva a uma perda dependente da idade dessas células de gordura especializadas poderia ser usado para ajudar a combater infecções de pele como Staphylococcus aureus – uma bactéria patogênica que é a principal causa de infecções da pele e coração e um fator importante na agravamento de doenças, como eczema.

O benefício a longo prazo desta pesquisa é entender o sistema imunológico infantil, disse Gallo.

Os resultados também podem ajudar a entender o que está errado em outras doenças, como obesidade, diabetes e doenças autoimunes.

Com informações do GNN/US San Diego

Espalhe notícia boa nas suas redes sociais. Siga o SNB no Facebook, TwitterInstagram e Youtube

O conteúdo do SóNotíciaBoa é protegido. Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.