Vídeo do jovem que deixou o Direito para vender dindin bate 100 mil

Fernando - GelaDindin - Fotos: SNBFernando - GelaDindin - Fotos: SNB

O Youtube acaba de nos avisar que o vídeo do Fernando, o jovem que deixou o Direito para vender dindin, bateu a marca de 100 mil visualizações no Youtube.

O vídeo exibido no Canal SóNotíciaBoa mostra a história e o trabalho de Fernando Lima, hoje com 35 anos. O baiano formado em Direito descobriu seu lado empreendedor e hoje vive mais feliz.

Ele revelou ao SóNotíciaBoa que ganha “mais do que um servidor nível médio” vendendo din-din – também conhecido em algumas regiões como chupe-chupe, ou geladinho. Três anos depois do vídeo, nos voltamos a conversar com Fernando.

Ele contou que o negócio cresceu dentro do planejado” “a marca da família já está sendo vendida também na Bahia e em Santa Catarina”, contou.

Natural da Bahia, ele veio para Brasília em 2015 com o sonho de passar em algum concurso público. Como a concorrência é grande e o tempo foi passando, Fernando decidiu ousar e investir em sua marca.

Fernando estilizou uma food-bike com a marca GelaDindin, começou a preparar dindins gourmet em casa – com receitas da avó dele – e hoje pedala pelos principais pontos de Brasília para refrescar a vida de moradores e turistas.

Alegria

Com o sorriso aberto de um bom baiano e ao som de reggae – que sai de uma caixinha de som acoplada à bike – ele chegava a ganhar como um servidor público, há 3 anos.

“Inicialmente eu vendia aos finais de semana só. Quando eu vi que estava começando a crescer o mercado eu resolvi vender todos dias. Então, se a pessoa for todos os dias pra rua vender, tira uma base de 4 mil reais por mês, que é um salário de servidor nível médio hoje em dia”, revela.

Veja a matéria completa aqui.

Assista ao vídeo que bateu 100 mil visualizações:

Por Rinaldo de Oliveira, da redação do SóNotíciaBoa

Espalhe notícia boa nas suas redes sociais. Siga o SNB no Facebook, TwitterInstagram e Youtube

O conteúdo do SóNotíciaBoa é protegido. Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.