App brasileiro chama catadores para levarem resíduos: prêmio

Fotos: reprodução / CatakiFotos: reprodução / Cataki

Brasileiros criaram um aplicativo para melhorar a renda dos catadores e os índices de reciclagem do Brasil.  Ele conecta catadores de recicláveis a pessoas que querem se desfazer de resíduos, mas não sabem como agir.

“O Cataki transforma catadores em empreendedores. Eles são remunerados pela coleta, pela venda dos materiais e ainda contribuem com a preservação do meio ambiente”, diz Mundano, fundador do App. (vídeo abaixo)

O aplictivo Cataki ganhou a etapa nacional da competição entre iniciativas que unem tecnologia e impacto social organizada pela plataforma global Chivas Venture e agora disputa a etapa internacional.

O vencedor da votação popular online, que vai até terça-feira, dia 30ganha US$ 50 mil.

Como

“E se você pudesse ajudar as pessoas e o planeta?”

O aplicativo ajuda quem tem algo para se desfazer – como um sofá velho, por exemplo – e não tem como levar pessoalmente a um ecoponto regulamentado pela prefeitura.

Aí entra em ação o aplicativo Cataki – criado pela ONG paulistana Pimp My Carroça.

Pelo aplicativo, o usuário encontra um catador credenciado mais próximo de sua casa e negocia direto com ele um valor para a retirada do resíduo.

Os catadores não precisam ter um smartphone para estar na plataforma. Um número de telefone para receber chamadas é o suficiente.

Gratuito

O Cataki é um app gratuito. Além disso, 100% do dinheiro gerado nas coletas fica com o catador: o app é apenas a ponte entre quem quer reciclar e quem trabalha com reciclagem.

O usuário gerador de resíduos pode baixar o aplicativo no Google Play ou na Apple Store.

Atualmente, o aplicativo tem mais de 1.400 catadores cadastrados em quase 300 cidades brasileiras. Só em São Paulo são 422 catadores.

O catador Caio Cesar Quirino, 42 anos, é um deles. Ele trabalha recolhendo resíduos há 5 anos e há quase um usa o aplicativo. Ele diz que melhorou muito a logística do seu trabalho.

“Antes a gente ficava a esmo coletando o que achava na rua e agora já vou direto em quem fez contato. Fora que as pessoas dão valor, pagam para retirar o resíduo e valorizam o serviço. Mudou muito a forma como a gente está sendo visto”, disse ele ao G1.

“Estimativas dizem que há 1 milhão de catadores no Brasil e quanto mais crise, mais catadores. Esse número é uma estimativa”, afirma um dos criadores do aplicativo, João Bourroul.

Caso vença o prêmio, a ideia é reinvestir o valor recebido.

“Queremos conectar 1 milhão de pessoas na plataforma”, concluiu. Bourroul.

Veja como funciona o App:

Com informações do G1

Espalhe notícia boa nas suas redes sociais. Siga o SNB no Facebook, TwitterInstagram e Youtube

O conteúdo do SóNotíciaBoa é protegido. Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.