Pesquisadores da USP criam novo tratamento para psoríase

Foto: Marcos Santos/USP ImagensFoto: Marcos Santos/USP Imagens

Pesquisadores brasileiros criaram uma solução que inibe inflamação de psoríase, doença inflamatória que provoca vermelhidão, descamação e placas na pele.

A esperança é substituir ou diminuir o uso do corticoide em casos não severos.

O novo método desenvolvido pela Universidade de São Paulo, USP, propõem um novo método de tratamento.

A ideia é a aplicação tópica, como loção, gel ou creme.

O fármaco possui moléculas capazes de inibirem o processo inflamatório da doença.

O medicamento contém compostos doadores de sulfeto de hidrogênio (H2S) e já foi patenteado pelo grupo.

Testes

Em testes pré-clínicos, descobriu-se que a substância é capaz de atuar beneficamente no tratamento dessa inflamação, inibindo a produção de citocinas pró-inflamatórias.

“É um desafio atravessar o estrato córneo (parte mais externa) da pele para chegar às camadas onde se desenvolve a doença – por isso usamos os nanocarreadores”, explica a professora Luciana Lopes, do departamento de farmacologia da USP. “Por outro lado, dependendo da profundidade e extensão da penetração cutânea, pode haver absorção e efeitos sistêmicos (em todo o corpo). Assim, outro desafio foi localizar o fármaco na pele para obter apenas o efeito local”, afirma.

Hoje o tratamento convencional para psoríase é feito com a administração de corticoides, mas o problema é que seu uso prolongado e excessivo é acompanhado por inúmeros efeitos colaterais indesejados, que incluem afinamento e alterações na pigmentação da pele, além de vermelhidão.

Também há casos de pacientes que desenvolver quadros clínicos adversos, tais como a síndrome de Cushing (ganho de peso ao redor do tronco e perda de massa nos braços e pernas) e até supressão da função das glândulas suprarrenais.

A expectativa dos pesquisadores é substituir ou diminuir o uso do corticoide em casos não severos de psoríase. “Por exemplo, seria possível iniciar o tratamento com essa alternativa para controlar a doença e só aplicar o corticoide quando necessário.

Isso evitaria ou reduziria os efeitos adversos que o uso prolongado destes medicamentos ocasiona”, explica a professora Soraia Costa.

Com informações do Catraca Livre

Espalhe notícia boa nas suas redes sociais. Siga o SNB no Facebook, TwitterInstagram e Youtube

O conteúdo do SóNotíciaBoa é protegido. Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.