Brasileiros criam remédio que reverte overdose de cocaína e evita morte

Foto: UFGFoto: UFG

Cientistas brasileiros descobriram uma substância que é capaz de capturar a cocaína em circulação na corrente sanguínea, evitar os efeitos da droga e bloquear casos de “overdose”, que podem levar à morte.

Ela foi desenvolvida por pesquisadores da Universidade Federal de Goiás (UFG) e pode ser usada em casos de emergência.

“O que nós buscamos com isso foi viabilizar uma forma de que, no momento em que o paciente começa a perder sinais vitais, seja possível ao médico ou ao Samu [Serviço de Atendimento Móvel de Urgência] salvá-lo, reduzindo aquela dose tóxica que está na corrente sanguínea”, disse a farmacêutica Sarah Rodrigues Fernandes, responsável pela criação.

A substância é constituída por nanopartículas e pode ser administrada por meio de uma injeção intravenosa. Testes feitos com animais mostraram a capacidade de captura de até 70% da cocaína no organismo e o retorno quase imediato da pressão arterial e dos batimentos cardíacos ao estado normal.

“A pressão arterial e os batimentos cardíacos começam a voltar ao normal cerca de dois minutos após a administração da nanopartícula que desenvolvemos,” ressalta a farmacêutica.

“Ao capturar a cocaína, a nanopartícula mantém a droga aprisionada em seu interior. Não permite que a droga se difunda pelo cérebro ou outras regiões do organismo. Possibilita, então, que haja tempo para uma terapia de resgate,” acrescentou a professora Eliana Martins Lima, orientadora do trabalho.

Nanotecnologia

A pesquisa também  amplia o modo de usar a nanotecnologia em terapias com medicamentos.

Desde os anos 1990, a nanotecnologia é utilizada para levar de forma mais eficaz partículas aos alvos no organismo que precisam de recuperação e proteção.

Esta nova substância mostra que a nanotecnologia também pode ser proveitosa para buscar e aprisionar substâncias e reverter um quadro crítico.

As partículas nanométricas, obtidas a partir de componentes químicos orgânicos naturais (lipídeos) e de moléculas de baixa massa (polímeros), são extremamente pequenas e, por isso, eficientes na circulação sanguínea.

Venda

A comercialização do medicamento depende ainda de parcerias entre a universidade e laboratórios farmacêuticos.

Antes de poder ser utilizado em seres humanos, o medicamento deverá ser submetido a testes clínicos exigidos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Além desses testes, a indústria farmacêutica deverá custear os laboratórios de fabricação em massa e fazer a comercialização.

“Nosso papel como universidade pública é formar pessoas altamente qualificadas, jovens cientistas, pesquisadores e, no meio desse caminho, produzir conhecimento novo. É muito importante, agora, que as indústrias farmacêuticas, percebam a capacidade de contribuir com esse processo de inovação e, dessa forma, identifiquem que vão conseguir manter um espaço importante no mercado,” disse Eliana.

Com informações do Diário da Saúde

Espalhe notícia boa nas suas redes sociais. Siga o SNB no Facebook, TwitterInstagram e Youtube

O conteúdo do SóNotíciaBoa é protegido. Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.