Não é mimimi: OMS lista ‘Síndrome de Burnout’ como doença

Foto: ReproduçãoFoto: Reprodução

O estresse profissional não é brincadeira, nem mimimi, por isso a OMS, Organização Mundial da Saúde reconheceu a ‘Síndrome de Burnout’ como doença.

A notícia boa é que isso poderá ajudar não só a reconhecer o diagnóstico como a regulamentar a síndrome como doença ocupacional.

“Pra mim foi uma das melhores notícias dos últimos tempos porque traz um pouco de respeito para falar sobre o assunto”, disse em entrevista ao SóNotíciaBoa a jornalista Izabella Camargo, que enfrenta a síndrome e faz palestras de conscientização sobre o Burnout.

“Agora a OMS reconhecendo a ‘Síndrome de Burnout’ como uma doença ocupacional grave, estresse crônico, o paciente não vai ser enquadrado sob nenhuma hipótese fora do ambiente profissional, ele vai ter mais chances de recorrer não só juridicamente, mas com seus planos de saúde e vai ter esse acolhimento que falta na sociedade”, afirmou.

Se você já teve nervosismo, dor de barriga, cansaço, tontura e falta de apetite em uma situações de estresse no trabalho, já sentiu alguns sintomas da síndrome de burnout’.

Se isso virar rotina e seu trabalho for o gatilho pra tudo isso, opa, é hora de se preocupar e procurar ajuda.

O que é

O ‘burnout’, também conhecido como síndrome do esgotamento profissional, é uma analogia com a combustão, com utilizar a gasolina de um carro até esgotar o tanque, por exemplo.

A doença é caracterizada como uma síndrome ocupacional, quando você se vê exaurido por conta de situações vividas no ambiente profissional – excesso de cobranças, competitividade, acúmulo de responsabilidades.

Policiais, professores, jornalistas, médicos e enfermeiros estão entre as profissões mais afetadas por essa pane física e mental.

Pesquisa

A prevalência do problema no mundo é incerta. Mas tudo indica que a situação no Brasil não é das melhores.

A International Stress Management Association (Isma-BR) estima que 32% dos trabalhadores brasileiros sofram com esse tipo de stress.

Em um ranking de oito países elaborado pela Isma-BR, estamos à frente da China e dos Estados Unidos – e perdemos apenas para o Japão, onde 70% da população apresenta os sintomas do burnout.

OMS

Dá para entender porque a Organização Mundial da Saúde (OMS) incluiu o transtorno, pela primeira vez, na Classificação Internacional de Doenças, que lista enfermidades e estatísticas de saúde que serão prevalentes nos próximos anos.

A OMS descreve o burnout como “uma síndrome resultante de um stress crônico no trabalho que não foi administrado com êxito”.

A entidade também afirma que o termo se refere apenas ao contexto profissional.

Sintomas

O estresse por outras causas – como problemas financeiros ou familiares – não deve ser classificado dessa forma.

Nem sempre os sinais do burnout se manifestam de forma intensa.

O mais típico é a ausência de vontade de sair de casa para trabalhar.

Conforme a doença evolui, outros sintomas físicos e psicológicos dão as caras. Entre eles:

  • Dor de cabeça frequente
  • Insônia
  • Falta de concentração
  • Sentimento de fracasso e insegurança
  • Alterações repentinas de humor
  • Pressão alta
  • Dores musculares
  • Problemas gastrointestinais
  • Alteração de batimentos cardíacos
  • Depressão (em casos mais graves)

Diagnóstico

Só um profissional especializado – psiquiatra ou psicólogo – pode cravar se o quadro é mesmo de burnout.

A Rede de Atenção Psicossocial (RAPS) é o órgão do SUS indicado para diagnosticar e tratar pacientes com a síndrome.

Tratamento

Psicoterapia é o mais comum.

Em alguns casos, medicamentos antidepressivos e ansiolíticos são indicados.

Praticar exercícios e fazer atividades de lazer ajudam a aliviar a tensão.

Tirar férias também.

Assista ao vídeo que a Izabella Camargo postou sobre o assunto no Instagram:


View this post on Instagram

Obrigada! #sindromedeburnout #oms #saude #doençaocupacional #saudemental #respeito #autocuidado #daumtempo

A post shared by Izabella Camargo (@izabellacamargoreal) on

Com informações da Superinteressante

Espalhe notícia boa nas suas redes sociais. Siga o SNB no Facebook, TwitterInstagram e Youtube

O conteúdo do SóNotíciaBoa é protegido. Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.