Regular bactérias no estômago controla ansiedade, diz estudo

ESCHERICHIA COLI , bactéria presente no intestino Foto: PixabayESCHERICHIA COLI , bactéria presente no intestino Foto: Pixabay

Um caminho pra tratar ansiedade pelo controle de bactérias.

Um novo estudo, publicado no jornal General Psychiatry, por pesquisadores da China, mostra que  a regulação dos microrganismos do nosso estômago é uma alternativa no tratamento.

Entre os métodos estão o consumo de suplementos alimentares probióticos, produtos que contém microrganismos vivos e métodos não-probióticos.

Pesquisadores do Centro de Saúde Mental da Universidade Jiao Tong, de Xangai, analisaram a composição intestinal humana e descobriram que ela tem um papel importante na regulação das funções cerebrais.

Os cientistas optaram por fazer uma observação de 21 estudos anteriores, que somavam dados de cerca de 1,5 mil pessoas.

Dentre todas as pesquisas, 14 indicavam probióticos como intervenções válidas para a regulação dos microrganismos que vivem na flora intestinal e 7 aderiam a métodos não-probióticos, como o ajuste de dietas.

Ansiedade

De acordo com a pesquisa, 52% dos estudos tiveram resultados positivos no tratamento da ansiedade quando a microbiota intestinal foi regulada.

Entre aqueles estudos que usaram probióticos, 36% dos trabalhos reconheceram que esses produtos foram eficientes na redução da ansiedade, enquanto que, entre as pesquisas que utilizaram não-probióticos, o sucesso no tratamento da doença teve 86% de eficácia.

Segundo os pesquisadores, as intervenções não-probióticas foram mais eficazes. A mudança na dieta significa fontes de energias diversas que podem ter maior impacto no crescimento das bactérias.

Por outro lado, aderir à ingestão de bactérias específicas que estão presentes nos suplementos probióticos não teria o mesmo efeito.

Com informações da Galileu

Espalhe notícia boa nas suas redes sociais. Siga o SNB no Facebook, TwitterInstagram e Youtube

O conteúdo do SóNotíciaBoa é protegido. Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.