Mappin volta ao mercado, agora pela internet

Foto: EstadãoFoto: Estadão

O Mappin está de volta! A rede de lojas de departamento mais famosa de São Paulo dos anos 80 e 90 voltou este mês em novo formato, pela internet, no chamado e-commerce.

A loja, que faliu em 99 – avaliada em R$ 12 milhões – foi comprada em leilão judicial pela Marabraz 10 anos depois e agora é comandada pelo Blue Group, empresa responsável pela operação digital da varejista Marabraz,

Com investimento de R$ 4 milhões, a nova plataforma do Mappin vai vender mais de 15 mil itens, entre produtos de cama, mesa e banho, utilidades domésticas, móveis e decoração.

Os produtos

Com o Mappin, a Marabraz, especializada em móveis residenciais para o público C, D e E, inaugura um braço voltado para jovens e adultos das classes A e B.

A proposta da empresa agora é trabalhar com produtos exclusivos que tenham design voltado para a funcionalidade, como uma cadeira que vira estante e gavetas que se transformam em bancos.

“De uma panela simples de R$ 70 até uma mais moderna de R$ 700”, disse o sócio-diretor comercial da Marabraz, Nader Fares.

Sobre um possível retorno às lojas físicas, a previsão é de que o Mappin volte às ruas de São Paulo no início de 2020.

Assim como a unidade mais icônica da empresa, que ficava localizada na Praça Ramos de Azevedo, a nova loja, apesar de ainda não ter um endereço definido, também será instalada no centro da capital.

Como parte do apelo nostálgico, a empresa preparou um e-commerce com a mesma identidade visual das lojas antigas.

“Identificamos com muita pesquisa que há sim essa memória afetiva do público, então queremos oferecer uma experiência de compra completa também no ambiente digital”, Abdul Fares, sócio-diretor financeiro da companhia.

Relembre o jingle do Mappin:

Com informações do Estadao

Espalhe notícia boa nas suas redes sociais. Siga o SNB no Facebook, TwitterInstagram e Youtube

O conteúdo do SóNotíciaBoa é protegido. Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.