Música ajuda no desenvolvimento cerebral de bebês prematuros

Foto: University of GenevaFoto: University of Geneva

Não é novidade que a música faz bem pra todos, mas no caso dos bebês, os cientistas descobriram que a música orquestrada impulsiona o neurodesenvolvimento de prematuros.

Para ajudar os cérebros desses recém-nascidos frágeis a se desenvolverem, apesar do ambiente estressante da terapia intensiva, pesquisadores da Universidade de Genebra (UNIGE) e dos Hospitais Universitários de Genebra (HUG) propõem uma solução original: música especialmente escrita para eles.

Os primeiros resultados, que foram publicados na Academia Nacional de Ciências (PNAS) nos Estados Unidos, são surpreendentes: imagens médicas revelam que as redes neurais de bebês prematuros que ouviram essa música estão se desenvolvendo muito melhor.

Flauta

Mas qual música? Quais instrumentos musicais?

“Felizmente, conhecemos o compositor Andreas Vollenweider, que já havia realizado projetos musicais com populações frágeis e que demonstrou grande interesse em criar músicas adequadas para crianças prematuras”, diz Hüppi.

“Queríamos estruturar o dia com estímulos agradáveis nos momentos apropriados: uma música para acompanhar seu despertar, uma música para acompanhar seu adormecimento e uma música para interagir durante as fases de despertar”, diz Lara Lordier, PhD em neurociências e pesquisadora do HUG e do UNIGE.

Vollenweider tocou vários instrumentos para os bebês, na presença de uma enfermeira especializada em cuidados de apoio ao desenvolvimento.

“O instrumento que mais gerou reações foi a flauta de encantadores de serpentes indianas (o punji)”, lembra Lara Lordier.

“Crianças muito agitadas se acalmaram quase que instantaneamente – sua atenção foi atraída pela música!” O compositor escreveu três “ambientes sonoros” de oito minutos cada, com punjis, harpas e sinos.

Deu certo!

Para testar, os cientistas usaram ressonância magnética funcional em repouso nos três grupos  pesquisados: bebês prematuros que ouviram a música, um grupo controle de bebês prematuros e um grupo controle de recém-nascidos aos 9 meses.

As redes neurais de crianças que ouviram a música de Andreas Vollenweider foram significativamente melhoradas: a conectividade funcional entre a rede de saliência e as redes auditiva, sensorimotora, frontal, tálamo e precuneus aumentou de fato, resultando em uma organização de redes cerebrais mais parecida à de bebês nascidos aos 9 meses.

A pesquisa

A cada ano, a Unidade de Terapia Intensiva Neonatal do HUG acolhe 80 crianças nascidas cedo demais – entre 24 e 32 semanas de gravidez, ou seja, quase quatro meses antes do previsto para algumas delas.

A grande maioria sobreviverá, mas a metade desenvolverá desordens neuro-desenvolvimentais, incluindo dificuldades de aprendizagem, distúrbios emocionais ou emocionais.

“Ao nascer, os cérebros desses bebês ainda são imaturos. O desenvolvimento do cérebro deve, portanto, continuar na unidade de terapia intensiva, em uma incubadora, sob condições muito diferentes do que se ainda estivessem no ventre da mãe ”, explica Petra Hüppi, professora da Faculdade de Medicina da UNIGE e chefe da Divisão de Desenvolvimento e Crescimento da HUG. , quem dirigiu este trabalho.

“A imaturidade do cérebro, combinada com um ambiente sensorial perturbador, explica por que as redes neurais não se desenvolvem normalmente”.

 

Com informações do GNN

Espalhe notícia boa nas suas redes sociais. Siga o SNB no Facebook, TwitterInstagram e Youtube

O conteúdo do SóNotíciaBoa é protegido. Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.