Menino cego e autista toca repertório completo de Sandy e Junior

Foto: Hugo Barreto/MetrópolesFoto: Hugo Barreto/Metrópoles

Ele é cego, autista e pianista. Também é fã de Sandy e Júnior e vem se desafiando, graças ao incentivo da mãe.

O brasiliense Daniel, de apenas 7 anos, recebeu da mãe, a administradora Hedrienny Cardoso, o desafio de gravar uma música por dia, durante um ano inteiro e depois, as 178 canções de Sandy e Junior, a tempo do show que a dupla faz em Brasília, no próximo dia 20 de julho, no Estádio Mané Garrincha.

Tudo cumprido pra realização do sonho da família que inclui Daniel, Júlia de 5 anos que acompanha o irmão e a mãe.

Com os vídeos, a mãe, Hedrienny, movimenta as redes sociais numa campanha para visitar o camarim dos artistas.

Os mais de 13 mil usuários que acompanham a “banda” no Insta sempre dão uma forcinha, com hashtags e compartilhamentos.

Presente de seguidores

Os três só conseguiram os ingressos para a apresentação graças à ajuda de internautas.

Daniel ganhou um piano de parede Fritz Dobbert de uma seguidora.

E agora está se acostumado aos poucos com as teclas mais grossas e pesadas do novo “brinquedo”.

Certa vez, Sandy postou um vídeo de Daniel nos stories do Instagram.

“Não sei como chegou até ela”, pergunta-se a mãe. “Foi quando ela lançou Areia. Ele ouviu umas 40 vezes e aprendeu a música em um dia para filmarmos”, conta.

Autismo

Daniel se interessa por música desde muito cedo. Ele é o primeiro filho de Hedrienny, 33 anos, e Robson Ribeiro dos Santos, 37, engenheiro mecatrônico.

O garoto nasceu cego, mas só recebeu diagnóstico dois anos depois: amaurose congênita de Leber, uma distrofia retiniana que causa cegueira infantil.

O casal ainda não sabia que se tratava de uma doença com herança genética. A segunda filha também nasceu cega. Já Pedro, o caçula de 2 anos, veio ao mundo sem deficiências.

O autismo foi notado pouco depois, quando Júlia tinha um aninho e Daniel, 3.

Brincadeiras quase nunca despertavam a atenção dele. Só a música e sons diversos, de ruídos domésticos a urbanos. Reproduzir o que ouve, por sinal, faz parte do aquecimento do músico antes das gravações.

Poder da música

Um dia qualquer, durante um encontro na casa de amigos, o menino estava especialmente agitado. Hedrienny avistou um teclado na sala e apresentou o instrumento ao filho.

“Ele ficou apaixonado, estático”, lembra.

O repertório de canções infantis logo se esgotou. E a mãe passou a apresentar a ele artistas e gêneros dos quais é fã, como rock e Legião Urbana e Sandy e Junior.

Aquecimento

Daniel cultiva um ritual bastante particular cada vez que se senta ao teclado. Ele aquece as mãos e os ouvidos imitando ruídos diversos com as teclas.

Mas o roteiro precisa ser combinado antes. Se a mãe pede quatro músicas, o filho vai executar exatamente o previsto no setlist. Nada de bis ou faixas bônus.

Além do teclado e do piano, ele toca escaleta e sanfona.

Fotos: Metrópoles

Fotos: Metrópoles

menino_autista2

Veja a apresentação de Daniel pelo Instagram @notasdadiversidade:


View this post on Instagram

#juntoseshallownow #cancela #ofimestápróximo

A post shared by Hedrienny (@notasdadiversidade) on

Com informações do Metrópoles

Espalhe notícia boa nas suas redes sociais. Siga o SNB no Facebook, TwitterInstagram e Youtube

O conteúdo do SóNotíciaBoa é protegido. Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.