Ladras pedem perdão a menino com tumor cerebral: ‘nunca mais roubar’

Foto: reproduçãoFoto: reprodução

Duas ladras pediram perdão e prometeram parar de roubar, ao descobrirem que a vítima do furto era um menino de 5 anos com tumor no cérebro, em Delaware, Estados Unidos.

Timmy Vick tem autismo e foi diagnosticado com tumor cerebral em outubro do ano passado. O garoto ganhou do pai cinturões de “Luta Livre”, esporte que o menino é fã.

Como o presente precisou de ajustes, os cinturões foram enviados ao artista Sérgio Moreira, mas eles foram roubados quando o pacote chegou à casa do artista.

Moreira mandou as imagens da câmera de segurança para o noticiário local, esperando que os ladrões a vissem e descobrissem de quem estavam roubando.

“Quero que eles saibam que tiraram a esperança de um menino de 5 anos que está ansioso para que os cintos voltem a ele”, disse Sérgio Moreira à agência de notícias local KIRO7 .

“Você roubou isso dele. Você quebrou o coração de uma criança.”

Arrependimento

Dois dias depois, os ladrões foram à casa de Moreira para devolver a caixa com os cintos de Timmy, junto com uma carta de desculpas escrita à mão, com quatro páginas.

Eram duas mulheres, uma dependente de drogas e outra sem-teto, que se diziam envergonhadas pelo que haviam feito.

As mulheres disseram na carta que Timmy era o “herói real” e pediram perdão.

“Nós nunca quisemos roubar a esperança de uma criança”, dizia a carta.

“Depois do noticiário resolvemos não fazer mais isso.”

Moreira diz que as mulheres estavam chorando e pareciam muito arrependidas quando devolveram o pacote.

Eles as abraçou e disse que não planejava dar queixa.

flagrante das câmeras de segurança mostrando o roubo

Flagrante das câmeras de segurança mostrando o roubo – Foto: câmera de segurança

Com informações do Sunnyskz

Espalhe notícia boa nas suas redes sociais. Siga o SNB no Facebook, TwitterInstagram e Youtube

O conteúdo do SóNotíciaBoa é protegido. Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.