Filhote raro de onça encontrado desnutrido e cego volta a enxergar

Filhote de onça resgatado - Foto: Sema-MT/AssessoriaFilhote de onça resgatado - Foto: Sema-MT/Assessoria

Profissionais do Hospital Veterinário da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) fizeram um filhote raro de onça-pintada melânica voltar a enxergar.

O filhote tem melanismo, que é uma alteração genética rara. A concentração de pigmento preto na pele esconde as pintas comuns dessa espécie. Apenas de 5% a 10% das onças nascem com essa alteração.

Segundo pesquisadores, essa espécie de onça-pintada está ameaçada de extinção no Brasil.

O resgate

O filhote foi resgatado mês passado, em Paranaíta, a 849 km de Cuiabá, com quadro de cegueira e desnutrição.

O bichinho foi encontrado por um morador em uma região de pastagem. Ele ficou com o filhote por uma semana, mas decidiu pedir apoio à Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema) ao perceber que o filhote estava muito debilitado.

A boa nova é que ele voltou a enxergar e recuperou o peso depois do tratamento no Hospital Veterinário da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), campus Sinop, a 503 km de Cuiabá.

“Ele já tem percepção de movimento e está interagindo bem com os desafios. A recuperação dele tem sido significativa e o estado de saúde é estável”, disse a professora da UFMT, Elaine Conceição.

Ela contou que o filhote, que tem cerca de três meses e continua no hospital da universidade sendo monitorado pela equipe.

Liberdade

O próximo passo, de acordo com a professora, é treinar o animal para que possa ser solto na natureza quando completar dois anos.

“Estamos em conversa com o poder público para que possamos construir um recinto adequado para o projeto de reabilitação. Ele precisa aprender a caçar, se deslocar e se proteger”, explicou.

 

Com informações do G1

Espalhe notícia boa nas suas redes sociais. Siga o SNB no Facebook, TwitterInstagram e Youtube

O conteúdo do SóNotíciaBoa é protegido. Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.