Pesquisadores descobrem proteína que pode reverter surdez

Cóclea de camundongo com células ciliadas mostradas em nervos verdes e auditivos mostrados em vermelho. Foto pelo laboratório de Doetzlhofer / medicina de Johns HopkinsCóclea de camundongo com células ciliadas mostradas em nervos verdes e auditivos mostrados em vermelho. Foto pelo laboratório de Doetzlhofer / medicina de Johns Hopkins

Pesquisadores da Johns Hopkins Medicine podem ter encontrado a chave para restaurar a audição em pessoas com surdez irreversível.

Eles usaram ferramentas genéticas em ratos e identificaram proteínas que controlam as células que detectam o som, conhecidas como células ciliadas, que nascem no ouvido interno dos mamíferos.

Um relatório sobre as proteínas foi publicado no eLife .

“Essas células ciliadas são um dos principais agentes na perda de audição, e saber mais sobre como elas se desenvolvem nos ajudará a descobrir maneiras de substituir as células ciliadas que estão danificadas”, diz a Dra. Angelika Doetzlhofer, professora associada de neurociência da Escola de Medicina da Universidade Johns Hopkins.

Como

Para que os mamíferos possam ouvir, as vibrações sonoras viajam através de uma estrutura oca de aparência de caracol chamada cóclea.

No interior da cóclea existem dois tipos de células de detecção de som, células ciliadas internas e externas, que transmitem informações sonoras ao cérebro.

Estima-se que 90% da perda auditiva genética seja causada por problemas nas células ciliadas ou danos nos nervos auditivos que conectam as células ciliadas ao cérebro.

Em mamíferos e aves, as células ciliadas não podem se regenerar e quando ficam danificadas, a perda auditiva é permanente.

Novas células

Os cientistas sabem que o primeiro passo no nascimento de células ciliadas começa na parte mais externa da cóclea em espiral. As células precursoras começam a se transformar em células ciliadas.

Então, como os fãs de esportes realizando “a onda” em um estádio, as células precursoras ao longo da forma espiral da cóclea se transformam em células ciliadas ao longo de uma onda de transformação que pára quando atinge a parte interna da cóclea.

Sabendo onde as células ciliadas começam seu desenvolvimento, Doetzlhofer e sua equipe foram em busca de pistas moleculares que estavam no lugar certo e na hora certa ao longo da espiral da cóclea.

A descoberta

Das proteínas analisadas pelos pesquisadores se destacaram a Activina A e a folistatina.

“Na natureza, sabíamos que a Activina A e a folistatina funcionam de maneiras opostas para regular as células. As duas proteínas realizam um ato de equilíbrio nas células precursoras para controlar a formação ordenada de células ciliadas ao longo da espiral coclear”, diz Doetzlhofer.

“A ação da Activina A e da folistatina é tão precisamente cronometrada durante o desenvolvimento que qualquer perturbação pode afetar negativamente a organização da cóclea”, diz Doetzlhofer.

Os pesquisadores descobriram que altos níveis dessa proteína faziam com que as células se dividissem com mais frequência, o que fez com que mais delas se convertessem em células ciliadas internas de maneira aleatória.

Tratar a surdez

Doetzlhofer diz que sua pesquisa em desenvolvimento de células ciliadas tem aplicações potenciais para tratar a surdez causada por células ciliadas danificadas:

“Queremos usar esse conhecimento para melhorar ou desenvolver novas estratégias de tratamento para perda auditiva.”

Com informações do GNN

Espalhe notícia boa nas suas redes sociais. Siga o SNB no Facebook, TwitterInstagram e Youtube

O conteúdo do SóNotíciaBoa é protegido. Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.