UnB testa óleo de cannabis para dependentes de crack e busca voluntários

Muda de cannabis - Foto: PixabayMuda de cannabis - Foto: Pixabay

A UnB, Universidade de Brasilia, começou a fazer uma pesquisa pioneira para tratar dependentes de crack e procura voluntários para os testes com o novo remédio. (veja abaixo como participar)

A professora e pesquisadora Andrea Gallassi está usando óleo de cannabis no tratamento da dependência da droga e os primeiros resultados são animadores.

De acordo com pesquisadora, a substância tem potencial para amenizar praticamente todos os sintomas da abstinência, como ansiedade, insônia, falta de apetite e o desejo intenso pelo consumo da droga.

Pelo menos 15 voluntários já estão fazendo o tratamento experimental, gratuitamente, informou a equipe da professora ao SóNotíciaBoa.

“Eles estão dormindo melhor, estão mais calmos e com um bom apetite. É uma análise bem inicial, mas já é animadora”, disse Andrea Gallassi ao G1.

A intenção da pesquisadora é resumir o tratamento em uma única substância 100% natural, que é o canabidiol.

“Seria um medicamento único e não um coquetel. O grande desafio é desenvolver medicamentos que, de fato, ataquem os principais sintomas de pessoas que têm dependência de crack, de cocaína e álcool.”, conta.

A pesquisa propõe que o tratamento seja feito sem internações, para que os pacientes consigam abandonar o uso do crack sem abrir mão da própria rotina.

“O máximo que [o canabildiol] pode fazer é dar sonolência. Ele ainda tem uma toxicidade muito baixa, pro fígado e pros rins, por exemplo”, diz.

Antes de começar o processo terapêutico, Andrea informa aos pacientes sobre a substância usada, seus efeitos e mitos. “A gente explica pros pacientes que é um medicamento derivado da maconha, mas que não tem o princípio ativo, que é o THC.”

“É também uma forma de combater a desinformação com informações correta, baseadas em evidências científicas.”

A pesquisa

Há cerca de três anos, Andrea Gallassi pediu à Anvisa, Agência Nacional de Vigilância Sanitária, para importar o extrato e testá-lo em dependentes da droga sintética.

O estudo começou no mês passado, depois que o primeiro carregamento de canabidiol chegou do exterior.

“Foi a primeira importação para fins de pesquisa. Até então, a Anvisa só havia autorizado a compra por pessoas físicas”, explicou Gallassi.

Para custear as importações, a pesquisa conta com financiamento da Fundação de Apoio à Pesquisa do DF (FAP-DF) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

A pesquisa é desenvolvida em parceria com o Centro de Atenção Psicossocial (CAPs) de Ceilândia.

Testes

Ao todo, 80 pessoas com dependência de crack passarão pela experiência até outubro – metade receberá o canabidiol e a outra metade, o tratamento convencional.

Nenhuma delas será informada sobre os medicamentos ingeridos.

“Não existe o grupo que toma pílula de placebo, todo mundo vai ser tratado. Só que os pacientes não vão saber em qual grupo estão. Eles apenas sabem que a pesquisa envolve o canabidiol e assinam um termo em que declaram não saber o que vão tomar”, explica Andrea Gallassi.

“Recebemos muito contato de familiares, mas a premissa é que a pessoa tem que querer participar da pesquisa e ela mesma deve fazer esse contato”, afirma.

Voluntários

O tratamento terá duração de dois meses e meio, com encontros presenciais uma vez por semana.

O atendimento é feito sempre no CAPs AD 3 de Ceilândia, a 25 km de Brasília.

“Como qualquer pessoa que tem dependência de drogas, o dependente de crack também pode ter dificuldade para manter o tratamento. É esperado que tenha abandono, recaída, mas estamos preparados.”

Para participar da pesquisa bastar ligar, ou mandar Whatsapp para o número (61) 9.9996-7060.

Com informações do G1 e SNB

Espalhe notícia boa nas suas redes sociais. Siga o SNB no Facebook, TwitterInstagram e Youtube

O conteúdo do SóNotíciaBoa é protegido. Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.