Jovem se forma na faculdade com dinheiro da venda de doces no semáforo

Erick Jerônimo Ferreira - Foto: Arquivo PessoalErick Jerônimo Ferreira - Foto: Arquivo Pessoal

O jovem Erick Jerônimo Ferreira, de 22 anos pagou a Faculdade, que acaba de ser formar, vendendo doces no semáforo, em Santos, litoral sul de São Paulo.

Erick vendeu balas e jujubas para conseguir cursar Educação Física. Além de finalizar a licenciatura do curso ele ganhou o prêmio de melhor aluno.

A primeira vez que resolveu ir para os semáforos, foi para ajudar a família com as contas de casa e conseguir terminar a universidade.

“Começou em 2017 quando estávamos endividados. Eu trabalhava em uma bomboniere, mas ainda precisava de um dinheiro a mais para conseguir cursar a faculdade. Tive a ideia então de comprar doces lá e revender no semáforo. Deu certo, cumpri as minhas obrigações e consegui ajudar minha mãe”, disse ao G1.

Apoio

Inicialmente, o jovem escondeu da mãe que vendias os doces nas ruas.

Depois de algum tempo ela desconfiou, já que sabia que o filho saía do trabalho aos sábados no período da tarde, mas só retornava depois das 19h para casa.

“Sempre foi só eu, minha mãe e minha irmã. Teve um dia que eu estava com muita moeda no bolso e resolvi contar a verdade. Ela começou a chorar e me abraçou. Minha mãe sempre me apoiou a correr atrás dos meus sonhos, apenas não teve condições de bancar minha faculdade. Ela sempre disse para eu fazer o meu melhor”, conta.

Rotina difícil

O rapaz lembra que a rotina era bastante cansativa nos dois anos que vendeu os doces.

“No início foi difícil. De segunda à sexta eu fazia estágio das 7h às 8h. Trabalhava na bomboniere das 8h30 às 18h30. Depois eu seguia direto para a faculdade”, relembra.

Aos sábados, ele conta que também trabalhava na bomboniere, mas apenas das 8h30 às 13h. “Depois já começava direto as vendas nos semáforos e seguia até 19h, isso tanto no sábado, quanto nos domingos e feriados”, acrescenta.

Melhor aluno

“Em 2018 conclui a licenciatura, mas resolvi seguir cursando o curso em 2019 para completar o bacharelado”, diz.

De acordo com o jovem, na formatura da licenciatura, ele foi reconhecido com um prêmio de melhor aluno e com o mérito acadêmico do Conselho Regional de Educação Física.

O rapaz afirma que nunca teve vergonha de trabalhar vendendo doces no semáforo, porque sabia da importância do seu objetivo.

“Acredito que não importa o quão longe suas metas estejam, cada atitude que você tiver deixará você mais perto do sucesso”, revela.

Erick, sua mãe e o professor no dia de sua formação em licenciatura de Educação Física Foto: Arquivo pessoal

Erick, sua mãe e o professor – Foto: Arquivo pessoal

Com informações do G1

Espalhe notícia boa nas suas redes sociais. Siga o SNB no Facebook, TwitterInstagram e Youtube

O conteúdo do SóNotíciaBoa é protegido. Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.