Óculos com boas lembranças animam idosos com demência: realidade virtual

Idoso usando Rendever - Foto: divulgação / RendeverIdoso usando Rendever - Foto: divulgação / Rendever

Alunos criaram um sistema de realidade virtual que leva boas lembranças e novas experiências a idosos com demência, que vivem em casas de repouso e faz com que eles se envolvam novamente, superem o isolamento e a depressão.

A Rendever foi criada por Reed Hayes, da Sloan School of Management do MIT, depois de ver um homem que estava sentado na cadeira de rodas, imóvel, com os olhos entreabertos.

Reed Hayes fez uma experiência de realidade virtual com uma pintura tridimensional de Vincent Van Gogh e um piano clássico tocando em segundo plano. Quando colocou o fone de ouvido no homem, ele ganhou vida: “Ele começou a se mover, batendo os pés, rindo. De repente, ele ficou muito mais envolvido no mundo”, lembra o estudante.

Foi a primeira vez que Reed Hayes e o colega de classe Dennis Lally viram o impacto transformador da realidade virtual (VR).

Desde então, a startup Rendever, levou suas experiências de Realidade Virtual para mais de 100 comunidades de idosos – e foi lançada em hospitais para estender o fascinante mundo da RV a pacientes de todas as idades.

Realidade Virtual

O principal produto da Rendever é sua plataforma de engajamento, que oferece aos usuários jogos e atividades, como mergulho virtual e caminhadas, e inclui conteúdos que permitem viajar para quase qualquer lugar do mundo.

Ele também consegue sincronizar com vários fones de ouvido ao mesmo tempo, estimulando atividades em grupo social.

“É incrível vê-los apontando as coisas um para o outro e se envolvendo, gritando ‘Olhe para a esquerda!’ Ou ‘Há um filhote de cachorro aos nossos pés!’ ”, Diz Grace Andruszkiewicz, diretora de marketing e parcerias da Rendever.

“Ou, se eles estão em Paris, alguém pode dizer: ‘Eu estava em Paris em 1955 e havia um café fofo’, e as pessoas começam a adicionar detalhes e a contar suas próprias histórias. É aí que a mágica acontece.

A startup

A idéia da empresa foi esboçada pela primeira vez por Reed Hayes em um guardanapo, para Dennis Lally.

Com a ajuda de outros dois estudantes do MIT, eles lançaram oficialmente a empresa no outono de 2016.

Desde então, eles vivenciam histórias inesquecíveis de idosos usando a plataforma.

Lally se lembra de quando deu a uma mulher mais velha a experiência de ver a catedral de Notre-Dame na França.

“Ela estava tão extasiada por poder ver esta igreja por dentro, algo com que sonhava, e nós conseguimos realizar um sonho ao longo da vida”, diz Lally.

Como

A equipe da Rendever adiciona conteúdo original à sua plataforma duas vezes por mês, em grande parte com base no feedback dos moradores das comunidades que assinam o serviço.

As assinaturas incluem fones de ouvido, um tablet de controle, uma grande biblioteca de conteúdo, treinamento, suporte e garantias.

A empresa também ajuda os lares de idosos a fornecer conteúdo personalizado para seus residentes, o que contribui para algumas das experiências mais poderosas.

“Uma vez havia um adulto mais velho que continuava dizendo ‘eu quero ir para casa’, mas ela estava em uma comunidade de vida assistida porque estava mostrando sinais de demência”, lembra Hayes.

“Com a tecnologia que construímos, fomos capazes de digitar o endereço da casa dela e levá-la para lá. E ela começou a chorar lágrimas de alegria. Ela continuou dizendo: ‘Este é o lugar mais bonito do mundo’. ”

Depressão

Agora, a empresa está trabalhando para reproduzir em ensaios clínicos os resultados vistos com clientes individuais.

Um estudo realizado em conjunto com o MIT AgeLab – apresentado na Conferência Internacional de 2018 sobre Aspectos Humanos da TI para a população envelhecida – comparou experiências sociais de RV para adultos mais velhos assistindo as mesmas cenas na televisão.

Os pesquisadores descobriram que as pessoas que haviam compartilhado essas experiências por meio da RV eram significativamente menos propensas a relatar depressão ou isolamento social e mais propensas a se sentirem melhor com seu bem-estar geral.

Quimioterapia

A Rendever também está implantando seu sistema fora das comunidades de idosos. Um estudo realizado com a UCHealth, no Colorado, usou a RV da Rendever como uma distração para pacientes submetidos a tratamentos desagradáveis, como quimioterapia.

Após o programa, 88% dos participantes disseram que usariam VR novamente.

O sistema funcionou tão bem que muitos funcionários da Rendever o usaram com seus próprios parentes idosos. Antes de Andruszkiewicz aceitar um emprego na empresa, ela perguntou se poderia fazer uma demonstração para sua avó de 89 anos.

“Ela começou a me contar histórias que eu nunca tinha ouvido antes, e ela e eu temos um relacionamento muito próximo, por isso foi surpreendente que algumas de suas memórias voltassem”, diz Andruszkiewicz. “Isso selou o acordo para mim.”

Estimulação mental

Durante anos, uma mulher idosa chamada Mickey foi a pessoa mais extrovertida e amigável em sua comunidade de vida assistida em Connecticut. Ela sabia o nome de todos, participava regularmente de eventos da comunidade e sempre tinha um sorriso no rosto, até que foi diagnosticada com demência.

Um de seus primeiros sintomas foi afasia expressiva, um distúrbio que a privou de sua capacidade de falar. O silêncio de Mickey deixou um vazio na comunidade e entristeceu moradores e funcionários.

Então a equipe da Rendever entrou para fazer o treinamento. Um membro da equipe, com lágrimas nos olhos, contou à equipe sobre Mickey, então eles criaram uma cena de filhotes de golden retriever e colocaram o fone de ouvido nela.

“Ela se ilumina completamente”, lembra Andruszkiewicz. “Mickey estava tentando acariciar os filhotes, chamando-os, e ela estava conversando durante toda a experiência.”

Assista:

Com informações do GNN MIT News

Espalhe notícia boa nas suas redes sociais. Siga o SNB no Facebook, TwitterInstagram e Youtube

O conteúdo do SóNotíciaBoa é protegido. Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.