Sem-teto presta Enem com dinheiro arrecadado nas ruas

Arno Muniz - Foto: reprodução / MetrópolesArno Muniz - Foto: reprodução / Metrópoles

Quando a força de vontade é maior do que as possibilidades… Um homem sem-teto prestou o Enem no último domingo com dinheiro arrecadado nas ruas para fazer a inscrição.

Arno Muniz, de 46 anos, se preparou para as provas mas não tinha como pagar pela inscrição no Exame Nacional do Ensino Médio 2019.

Em situação de rua há 4 anos desde que ficou desempregado, Arno pedia ajuda aos motoristas que paravam nos sinais de Blumenau, em Santa Catarina, com o boleto nas mãos.

Deu certo. Ele conseguiu o valor, pagou a inscrição e fez a prova. A meta dele é estudar Direito.

“Quero lutar pelos moradores de rua. As pessoas não sabem o que a gente sofre e nem o preconceito. A prova estava bem difícil, mas consegui concluir as questões e a redação“, disse.

História

Arno trabalhava na área da construção civil e expedição em indústrias.

Entre 2017 e 2018, voltou a estudar e concluiu o ensino fundamental e médio pelo Encceja – Exame Nacional para Certificação de Competência de Jovens e Adultos.

Ele sempre anda com seus livros e diplomas de cursos, com medo de ser roubado.

Arno conta com a ajuda de funcionários de um posto de gasolina para guardar seus pertences e um espaço para estudar.

“Eu queria muito um lugar para morar. Para tomar banho diariamente, lavar roupa e guardar meus pertences”, conta.

Arno Muniz agora se prepara para a segunda etapa das provas, no próximo domingo, dia 10.

Vaquinha

Para ajudar o Arno a alugar uma casa e sair das ruas, foi criada uma vaquinha eletrônica para ele no Voaa.

A meta é de R$ 11.300 para pagar o aluguel durante um ano, até ele conseguir arrumar o emprego.

Para contribuir clique aqui.

Com informações do Metrópoles

Espalhe notícia boa nas suas redes sociais. Siga o SNB no Facebook, TwitterInstagram e Youtube

O conteúdo do SóNotíciaBoa é protegido. Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.