Escritora encontra Bryan nas ruas e acha família dele. Estava desaparecido

Brayan e Daniela - Foto: reprodução / TwitterBrayan e Daniela - Foto: reprodução / Twitter

Depois de um vídeo, que teve mais de 28 mil visualizações, uma escritora de São Paulo conseguiu encontrar a família de Brayan, um jovem de 18 anos que estava desaparecido.

Sumido desde o dia 20 de outubro de Iguape, no litoral de São Paulo, Brayan Henrique Rodrigues Aguiar foi localizado pela escritora e roteirista, Daniela Neves, de 47 anos, que fazia uma contra-vigília no local no Bairro Bela Vista, na capital paulista.

Em um live nas redes sociais, ela contou que o rapaz estava há duas semanas nas ruas, mas que não tinha tido contato com bebidas e drogas.

“Ele ainda não está contaminado pela rua. A rua machuca demais essas pessoas. Você vê o perigo que ele está correndo e o que ele pode viver só com 18 anos… Acho que [está] muito machucado emocionalmente”, disse Daniela no vídeo.

Durante esse 15 dias longe de casa, o jovem foi levado por uma assistente social até um albergue, onde tomou banho, se alimentou e dormiu.

Daniela se preocupou ainda mais quando conseguiu conversar melhor com Brayan:

“Vi que o menino não só estava muito triste, em depressão mesmo, mas por causa dos trejeitos, de evitar olhar no olho, do motivo por fugir “Meus pais não entendem que eu não quero falar…”, “Eu não tenho amigos”. Por vivência eu percebi alguma coisa do espectro autista nele”, escreveu a Daniela no Twitter.

“É muito difícil conversar com ele e – principalmente, ganhar confiança – com algum tempo consegui que ele me dissesse que gostava de desenhar, que gostava de anime”, revelou.

História

Brayan saiu da casa da tia, no Centro de Iguape, onde morava há menos de um mês.

Ele se mudou para a cidade para procurar emprego.

Antes de mudar para Iguape, o rapaz morava com a mãe e os quatro irmãos em Miracatu, no interior de São Paulo.

A mãe diz que ele sempre foi um menino quieto, não conversava muito e não tinha muitos amigos.

O encontro

Daniela Neves notou a presença de Brayan na capital paulista quatro dias antes de saber que ele estava desaparecido.

Conversando com os moradores que estavam na praça, ela viu o jovem e notou a dificuldade de aproximação dele.

“Ele quase não fala com ninguém ou fala muito pouco. Ficava sempre no mesmo lugar. Mas naquele meio, se destaca, porque você vê na hora que ele não é um morador de rua. Você vê que ele é um menino que acabou de chegar”, afirma.

A família

Com a identidade dele, a escritora procurou nas redes sociais e encontrou as postagens da família.

“Resolvi digitar “Desaparecido Iguape” no Facebook. Daí veio uma enxurrada de posts, todos com a foto do Brayan. Todas as irmãs, irmãos, pai e mãe desesperados”, disse.

Antes de entregar o rapaz para a família, Daniela teve o cuidado de conversar com ele.

“Resolvi conversar com ele, antes mesmo de falar com a família, para entender direito – e principalmente, me assegurar que não houve abuso por parte da família – se ninguém o destratou, ou o expulsou. Não houve”, afirmou.

A escritora chegou, então, até uma das irmãs e avisou que havia encontrado rapaz.

A mãe de Brayan, Deise Rodrigues Cunha, se emocionou quando soube que o filho estava vivo e passava bem.

O motivo que levou o rapaz a sair de casa ainda não foi esclarecido.

A volta pra casa

Nesta terça, dia 5 a família foi buscar o jovem e levou Brayan para casa, em Miracatu, no litoral de São Paulo.

“Brayan acabou de ir embora com a família. Não ganhei um abraço, mas ganhei um sorriso. E isso é gigante”, escreveu Daniela no Twitter.

Veja o post que deu origem a essa história com final feliz:

Por Rinaldo de Oliveira, da redação do SóNotíciaBoa – com informações do G1 e Twitter

Espalhe notícia boa nas suas redes sociais. Siga o SNB no Facebook, TwitterInstagram e Youtube

O conteúdo do SóNotíciaBoa é protegido. Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.