Bailarina negra comemora chegada de sapatilhas com seu tom de pele

Sapatilhas novas de Ingrid Silva - Fotos: reprodução / InstagramSapatilhas novas de Ingrid Silva - Fotos: reprodução / Instagram

Uma bailarina negra brasileira, que trabalha nos EUA, comemorou a chegada de sapatilhas com seu tom de pele.

Ingrid Silva, do Dance Theatre of Harlem, em Nova York, disse que agora não vai mais precisar pintar suas sapatilhas de marrom para trabalhar, o que foi obrigada a fazer durante 11 anos.

“Pelos últimos 11 anos, eu sempre pintei a minha sapatilha. E finalmente não vou ter mais que fazer isso! FINALMENTE. É uma sensação de dever cumprido, de revolução feita. Viva a diversidade no mundo da dança. E que avanço viu. Demoro (sic) mas chego (sic)! A vitória não é somente minha e sim de muitas futuras bailarinas negras que virão por aí”, escreveu a bailarina no Instagram.

Apesar de haver tantos negros no mercado de dança, há apenas um ano algumas marcas de sapatos para dançarinos começaram a adotar cores em tons mais escuros para pessoas negras.

Em novembro de 2018, o “The New York Times” publicou um artigo criticando a demora para, lembrando que elas surgiram 200 anos depois das sapatilhas em tons rosados.

Como

Nos Stories do Instagram, a bailarina disse que outras marcas já adotaram as mudanças e que entrou em contato com a japonesa Chacott para pedir que incluíssem tons de sapatilhas para pessoas negras.

“ELAS CHEGARAM!!!”, comemorou Ingrid em um post este mês.

Ingrid gravou vídeos ressaltando o quanto aquele dia foi para ela “importantíssimo”.

“Estou aqui para celebrar com vocês. Minhas sapatilhas chegaram! Isso foi um processo de anos”.

“As marcas têm que estar abertas à diversidade. É assim que o mundo é. Isso é uma grande vitória, não só para mim, mas para o nosso futuro da dança”, afirmou.

História

Aos 8 anos, Ingrid iniciou seu treinamento de balé no Dançando Para Não Dançar, um projeto social na Mangueira, na Zona Norte do Rio.

Mais tarde, ingressou na Escola de Dança Maria Olenewa e no Centro de Movimento Debora Colker com uma bolsa integral e, aos 17 anos, foi aprendiz do Grupo Corpo.

Pouco após concluir o Ensino Médio, se mudou para Nova York e foi convidada a participar do Programa de Treinamento Profissional Dance Theatre Of Harlem, onde atua como profissional desde 2013.


View this post on Instagram

THEY ARE FINALLY HERE!!!!!!!🙌🏽🔥 For the past 11 years, I’ve been paiting my pointe shoes with foundation. But not anymore. My pointe shoes matches my skin tone, and that’s revolutionary. I really thought this wasn’t going to come any time soon, but hey it’s Here!!!! And I can say is thank you to Diversity in ballet🙌🏽💃🏾 – ELAS CHEGARAM!!! Pelos últimos 11 anos, eu sempre pintei a minha sapatilha. E finalmente não vou ter mais que fazer isso! FINALMENTE🙌🏽🔥 E uma sensação de dever cumprido, de revolução feita, viva a diversidade no mundo da dança. E que avanço viu demoro mas chego! A vitória não é somente minha e sim de muitas futuras bailarinas negras que virão por aí ❤️

A post shared by Ingrid Silva (@ingridsilva) on

Com informações do Extra

Espalhe notícia boa nas suas redes sociais. Siga o SNB no Facebook, TwitterInstagram e Youtube

O conteúdo do SóNotíciaBoa é protegido. Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.