Violoncelista leva música a hospitais após morte da namorada flautista. Video

Foto: InstagramFoto: Instagram

O violoncelista argentino Jorge Bergero uniu vários instrumentistas para levar a pacientes em hospitias, após a morte da namorada dele, a   flautista Maria Eugenia Rubio.

“Eugenia era uma pessoa que se destacava na multidão”, disse Jorge. “Ela era uma musicista incrível.”

Jorge ficou ao lado dela durante a batalha contra um câncer de mama e observou a doença reduzir a capacidade que ela tinha de tocar. Até a morte em 2011, Jorge reuniu colegas músicos e eles tocavam para Eugenia enquanto ela estava no hospital.

Durante esse período, ele observou como os shows eram especiais e fizeram bem para o público e para os artistas.

Depois da morte de Eugenia, ele levou o projeto Música para el Alma a vários hospitais, escolas de educação especial e asilos na Argentina.

Orquestra

Quanto mais eles tocavam mais aumentava o número de músicos, que começou com 10 pessoas e se espalhou para além das fronteiras da Argentina.

Agora, o Música Para el Alma tem mais de 2.500 músicos e já viajou para 10 países em três continentes.

A organização faz de 70 a 80 concertos por ano e leva alegria a inúmeras pessoas com doenças terminais e necessidades especiais.

Tudo é feito em homenagem a Eugenia, e é tudo de graça!, diz Jorge.

“A música ilumina e os faz felizes. Tem um poder indescritível, especialmente para aqueles que estão passando por momentos difíceis”, finaliza.

Ouça a orquestra tocando para um menino em um hospital colombiano:


View this post on Instagram

Arroz con leche, Hospital General de Medellin. Gira de Música Para el Alma, Colombia, Noviembre 2019. musicaparaelalma.org

A post shared by Música Para el Alma (@musicaparaelalmaong) on

Com informações do Inspire More

Espalhe notícia boa nas suas redes sociais. Siga o SNB no Facebook, TwitterInstagram e Youtube

O conteúdo do SóNotíciaBoa é protegido. Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.