1ª turma de negros formada em medicina na UFRB. Foto volta a viralizar

Médicos formados pela UFRB - Foto: Antonio Wagner/DivulgaçãoMédicos formados pela UFRB - Foto: Antonio Wagner/Divulgação

A foto acima – que voltou a viralizar neste Dia da Consciência Negra, 20 de novembro – é da colação de grau dos veteranos de Medicina da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB).

São 12 estudantes negros – 41% dos formandos da primeira turma graduada pela instituição, em 29 de agosto.

“Ser da primeira turma traz o ‘peso’ de estar levando a ‘cara’ da UFRB comigo. A missão é fazer com que as pessoas conheçam a universidade e a qualidade do curso de Medicina no mercado de trabalho”, afirma Keline Carvalho, 27 anos, de Amargosa, recém-contratada na terra natal.

A médica Reisyanne Lopes, 30, de Feira de Santana, comemorou a formatura como um ato de resistência.

“A medicina era algo inalcançável porque não é muito comum que uma mulher preta, de família humilde, estudante de escola pública, filha de motorista de táxi e agente comunitária de saúde se torne médica, não é mesmo?”, questionou.

76% negros

Num livro publicado neste ano, a pesquisadora Luciana Santana, docente da UFRB,

observou que o percentual de estudantes autodeclarados brancos no ensino superior brasileiro é de 38,3%, enquanto os autodeclarados negros, isto é, pretos e pardos, chegava a 30%.

No curso de Medicina da UFRB, o percentual foi de 76,7% – 40% negros; 36,7% pardos. “Acredito que não encontraremos este percentual de negros em outra universidade brasileira, em curso de Medicina”, pondera.

Vitória

“Essa nação sempre foi algoz com a população negra. Para nós, ativistas e militantes da comunidade negra, estamos celebrando uma grande vitória, inclusive, que não imaginávamos que iríamos alcançar”, observa Valdecir Nascimento, coordenadora executiva do Odara Instituto da Mulher Negra.

O que ajudou bastante no resultado foi a Lei de Cotas, que incide nas federais e que garante a reserva de 50% das matrículas por curso e turno nas universidades e institutos federais a alunos oriundos integralmente do ensino médio público.

Os demais 50% das vagas permanecem para ampla concorrência.

De acordo com Paulo Nacif, ex-reitor da UFRB, não é uma coincidência que os cursos da instituição como um todo apresentem um percentual de alunos negros compatível com o que existe na sociedade brasileira.

“A diversidade racial da primeira turma de Medicina foi um projeto. A UFRB é a única que nasce com uma pró-reitoria de políticas afirmativas e assuntos estudantis”, afirmou.

Odonto

Alunos de odontologia da UFJF também fizeram uma foto de resistência no Dia da Consciência Negra.

Veja aqui.

Com informações do Correio

Espalhe notícia boa nas suas redes sociais. Siga o SNB no Facebook, TwitterInstagram e Youtube

O conteúdo do SóNotíciaBoa é protegido. Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.