SóNotíciaBoa melhora alunos e vira fonte de pesquisa escolar

2115
Elias - Foto: arquivo pessoal
Elias - Foto: arquivo pessoal

Crianças do ensino fundamental estão usando notícia boa para aprender a ler, escrever e discutir atualidades em sala de aula!

Sim, o SóNotíciaBoa virou fonte de pesquisa para trabalhos de atualidades e alfabetização.

O motivo é fácil de entender: pais estão preocupados em deixar seus filhos lerem revistas e jornais do país, que andam abarrotados de notícias sobre corrupção, tragédias e muita violência.

“Algumas mães estavam preocupadas com as notícias, que achavam pesadas [para os filhos]”, disse ao SóNotíciaBoa Kelem Errahoui, radialista de 41 anos, moradora de Brasília.

Dilema

Kelem, que é leitora do SNB há tempos, se viu nesse dilema em Fevereiro, quando o filho, de 6 anos, entrou em fase de alfabetização no Sigma – um colégio particular da capital – e a professora passou o dever de casa: uma pesquisa sobre atualidades.

“Comprei as revistas que encontrei no mercado: Isto É, Veja e Época e olhamos tudo, eu e Elias”, contou.

Foi quando ela percebeu que o conteúdo das revistas era pesado demais para uma criança daquela idade.

Kelem teve então a ideia de mostrar o SóNotíciaBoa para Elias.

“Aí eu fui com o Elias no computador e achamos a notícia do jovem estudante que a mãe juntou latinhas para ele estudar. Ele escolheu essa para mostrar na escola. Imprimimos, cortamos e enviei”, lembrou.

A partir daí Elias passou a levar toda semana uma reportagem do SóNotíciaBoa para discutir em sala de aula. (assista ao vídeo dele abaixo)

Outros pais

Logo outros coleguinhas do Elias fizeram o mesmo.

A mãe dele participa de um grupo no WhastApp formado por pais de alunos do 1º ano do ensino fundamental com as mesmas preocupações.

“Gabriela reclama quando vê notícias. Fica com medo diante de tantas notícias de morte e violência. Alguém tem alguma dica de jornal para crianças?”, perguntou uma das mães.

Kelem compartilhou no grupo que tinha encontrado uma alternativa para o filho dela: o SóNotíciaBoa.

“Achei ótimo!” disse um pai.

“Muito legal a ideia”, respondeu Patrícia, mãe do João Henrique.

“A gente achou uma notícia de um pit bull que sofria maus tratos, foi adotado e hoje ele abraça a nova dona toda hora. E Júlia adora animais”, contou Carolina Gonçalves de Oliver, jornalista de 37 anos, mãe da Júlia Caldas de Oliveira, de 6 anos.

Outras séries

Desde o início de 2017 Luisa, de 10 anos, aluna do 5º ano do Ensino fundamental no Sigma, também usa matérias do nosso portal para fazer trabalhos escolares, por indicação da mãe dela, Mari Pimentel, de Brasília.

“Creio que a primeira notícia [que ela usou] foi a do garotinho que cortou o cabelo igual ao do amiguinho negro para enganar a professora“, disse Mari.

Veja o recado do Elias:

Professores aprovam

A coordenadora do Sigma da Asa Sul, Silvana Cristina Bergmann, revelou que os professores do colégio  acessam o SoNotíciaBoa há pelo menos 5 anos, desde que ela conheceu nosso portal e apresentou a eles em reunião.

“Existe no colégio uma orientação para pedir [ao aluno] notícias positivas, sem foco em violência, corrupção, para a gente poder aprender com coisas boas. Solicitamos temas que atraiam as crianças, que estão em processo de formação”, diz.

A coordenadora explica que a ideia não é alienar o aluno, mas mostrar a ele que também existe uma outra realidade, esta que é mostrada pelo SNB.

“[O SóNotíciaBoa] Inspira, é modelo, edifica. Você tem uma outra visão. Ajuda na formação dessa faixa etária, o cidadão, valores.” disse.

Influências

A notícia influencia a sociedade, a notícia ruim e a notícia boa, lembra Isabelmile Militão, pedagoga há 30 anos e servidora da secretaria de Educação do Distrito Federal.

A notícia ruim, segundo ela, “tem peso muito negativo na socialização, na violência, na agressividade, no desrespeito a professores e colegas, num período em que as crianças são muito influenciáveis”.

Já a “notícia boa influencia no rendimento, na questão cognitiva, de aprendizagem, na disciplina, na postura da criança”, analisa a pedagoga.

O professor da UNB Phillip Ferreira, que também é pedagogo, concorda e vai além:

‘Toda criança procura afeto, aprovação, reconhecimento junto aos seus educadores. Quando essa autoestima é construída com base da positividade das informações, ela pode ter um bom auxílio educacional. A criança vai entender as informações tidas como boas e conseguir extrair disso o conceito de moral’, diz.

“Eu vejo a notícia boa como ferramenta de aprendizagem para ajudar a criança a tomar decisões independentes, para que ela possa desenvolver uma autoestima positiva”, afirma Phillip.

“Eu acredito que todas as escolas deveriam colocar notícia boa nos trabalhos de pesquisa. Seria um grande investimento nos resultados de rendimento escolar”, alerta a pedagoga Isabelmile Militão.

Responsabilidade e honra

Para nós, que produzimos o SóNotíciaBoa há quase 6 anos, saber que temos leitores assíduos no público infantil aumenta nossa responsabilidade e nos deixa muito orgulhosos, honrados.

É fabuloso poder conquistar essa nova geração antenada, plugada e ajudar na formação de valores importantes, como o caráter.

Afinal, pode estar nas mãos delas o poder de melhorar esse país, mergulhado em mazelas e problemas crônicos de ética, moral e honestidade.

E a notícia boa pode ajudar a construir brasileiros melhores porque leva esperança, bons exemplos… ela mostra valores, faz  aumentar a solidariedade, empodera o ser humano.

No seu colégio ou do seu filho já tem notícia boa nos trabalhos escolares?

Compartilhe essa boa ideia e depois conte pra gente os resultados!

Por Rinaldo de Oliveira, da redação do SóNotíciaBoa