Hortas verticais dão comida a 1.400 famílias: gastronomia social

Foto: reprodução / CPP
Foto: reprodução / CPP

Por Rinaldo de Oliveira, da redação do SóNotíciaBoa.

Veja como é possível melhorar a qualidade de vida das pessoas.

Um projeto que ajuda a limpar a natureza e ensina famílias carentes a plantar e preparar a própria comida está completando 6 anos e será mostrado a partir desta semana aqui no SóNotíciaBoa. (1º vídeo abaixo)

É o Hortas Verticais. Ele leva alimentos de qualidade para pessoas de baixa renda das regiões norte e nordeste do Brasil.

A produção comunitária, com foco na sustentabilidade, também combate o uso de agrotóxicos e dá perspectiva de aumento de renda, já que eles podem consumir e vender o excedente produzido.

Como

O projeto retirou 1 tonelada de garrafas pet do meio ambiente desde 2010 das margens do Rio Capibaribe.

Nelas são feitas as plantações do Horta Vertical: alface, mostarda, beterraba, tomate cereja, rabanete, rúcula, pimentão, couve espinafre, almeirão, agrião… e temperos como manjericão, coentro, cebolinha e pimenta.

O trabalho é feito em 5 etapas:
1 – Retirar garrafas PET das margens do Rio Capibaribe.
2 – Higienizar as garrafas, na ONG Comunidade dos Pequenos Profetas.
3 – Adaptar as garrafas para produção de frutas e verduras.
4 – Entregar as hortas verticais nas comunidades empobrecidas no entorno do projeto.
5 – Ensinar, em oficinas gastronômicas de degustação, a saborear os alimentos produzidos – que muitos jovens e crianças desconhecem.

1.400 famílias foram beneficiadas, direta e indiretamente em 6 anos.

O trabalho, que foi transformado em uma série de 13 vídeos de alimentação e hortas verticais, influenciou a Rede Solivida e já chegou a 7 Estados das regiões norte, nordeste e sudeste: BA, CE, PE, PB, PI, MA e RJ.

Incentivo internacional

A boa ideia foi reconhecida por duas entidades da Alemanha, que dão apoio financeiro:  O “Ministério Federal da Cooperação Econômica e de Desenvolvimento da Alemanha“ (Bundesministerium für wirtschaftliche Zusammenarbeit und Entwicklung (BMZ)) e a (Aktionskreis Pater Beda für Entwicklungsarbeit e.V.). No Brasil o apoio veio da Petrobras.

História

“A ONG foi criada em 1982 e nessa época eu catava verduras do chão da feira do mercado São José junto com o público de rua para fazer um grande sopão em via pública, algumas vezes Dom Hélder participou. O projeto de hortas foi lançado em 2010”, contou o criador do projeto, Demetrius Demetrio, ao SóNotíciaBoa.

Empreendedor e gastrônomo, ele decidiu envolver crianças e adolescentes em situação de risco social, atendidos pela ONG Comunidade dos Pequenos Profetas, para fortalecer os laços sociais deles nas escolas e nas comunidades.

A Pequenos Profetas atende mais de 400 crianças, adolescentes e jovens, de 7 a 24 anos de idade, em situação de rua, abandono, quase todos usuários de drogas, vítimas de violência, abuso sexual.

A Comunidade dos Pequenos Profetas (CPP) – Projetos Clarion – é uma organização não governamental, sem fins lucrativos, de orientação laica, que atende crianças e adolescentes em situação de extrema vulnerabilidade social e pessoal.

“O projeto tem 30 anos e foi inspirado por Dom Helder Camara. Hoje é uma organização respeitada, premiada pela ONU, ganhadora do premio ODM”, lembra Demetrius Demetrio.

Assista ao primeiro vídeo, que já teve mais de 500 mil acessos:

Da redação do SóNotíciaBoa