Assédio moral no trabalho? Cartilha ensina como agir. Denuncie!

3441
Foto: reprodução / Mental Harassment|||
Foto: reprodução / Mental Harassment|||

Por Rinaldo de Oliveira, da redação do SóNotíciaBoa.

O poder que sobe à cabeça e transforma chefes em déspotas tem nome: assédio moral…e isso tem que ser denunciado!

Chefias que humilham, constrangem, ameaçam, desqualificam, maltratam, retaliam funcionários, chamam de incompetentes, fazem cobranças com palavras duras e até xingam o trabalhador não podem ser toleradas em qualquer profissão.

Mas como fazer para denunciar esse mal profissional sem perder o emprego? É o grande dilema do funcionário perseguido.

Esta semana o Sindicato dos Jornalistas do Distrito Federal deu um grande passo para ajudar quem está sofrendo –  muitas vezes calado – dentro e fora das redações.

Lançou uma cartilha chamada “Assédio Moral: Uma violência que não pode ser silenciada”, que serve para qualquer tipo de trabalhador, da imprensa ou não.

“Hoje o assédio é a principal doença do jornalista porque provoca stress, depressão, síndrome do pânico. Como você consegue trabalhar num ambiente assim?”, questiona um dos coordenadores da cartilha e do Sindicato dos Jornalistas do Distrito Federal, Wanderlei Pozzembom, em entrevista ao SóNotíciaBoa.

O sindicato fez uma pesquisa com a categoria entre 2015 e 2016 perguntando o que pode melhorar a qualidade de vida do jornalista e os problemas que ele mais sofre. Deu assédio moral na cabeça. Daí surgiu a ideia de lançar a cartilha.

“O número de assédio é alarmante”, revela.

Consequências

Veja o que o assédio provoca nos trabalhadores, de acordo com o livro “Uma jornada de humilhações” de M. BARRETO.

Sintomas

Mulheres

Homens

Crises de choro

100

Dores generalizadas

80

80

Palpitações, tremores

80

40

Sentimento de inutilidade

72

40

Insônia ou sonolência excessiva

69,6

63,6

Depressão

60

70

Diminuição da libido

60

15

Sede de vingança

50

100

Aumento da pressão arterial

40

51,6

Dor de cabeça

40

33,2

Distúrbios digestivos

40

15

Tonturas

22,3

3,2

Idéia de suicídio

16,2

100

Falta de apetite

13,6

2,1

Falta de ar

10

30

Passa a beber

5

63

Tentativa de suicídio

18,3

Como denunciar

A cartilha incentiva o trabalhador assediado a denunciar e explica o que ele deve fazer para comprovar o assédio.

“Para entrar com a ação as provas precisam existir e não podem ser de boca. O ideal é que o trabalhador reúna e-mails, vídeos, gravações que comprovem o assédio”, explica Pozzembom.

Com as provas em mãos, a pessoa assediada deve procurar seu sindicato e fazer a denúncia.

É importante também que os funcionários se unam ao colega assediado e o ajudem a levantar as provas que ele precisa para entrar com a ação, mesmo porque a metralhadora de uma chefia insana cada dia dispara para um lado e pode atingir outras pessoas futuramente.

Gente assim precisa ser contida e nada melhor que uma bela ação trabalhista para colocar esse chefe no devido lugar… ou na rua.

Baixe a cartilha

Sabemos que está difícil conseguir emprego, mas não se intimide!

A cartilha do sindicato é de graça e repetimos, as dicas valem para qualquer profissional.

Ela pode ser baixada pela internet: na página do Sindicato e também na fanpage no Facebook.

Foto: reprodução / SJPDF
Foto: reprodução / SJPDF

Da redação do SóNotíciaBoa.