Governo francês seleciona casal pra cuidar de ilha deserta

1638
|||
|||

O governo da França abriu um processo para escolher o casal que vai assumir a pequena ilha da Bretanha de Quéménès.

Os ocupantes atuais decidiram sair. Eles foram escolhidos há 10 anos pela Coastal Protection Agency – Agência de Proteção da Costeira ou Conservatório do Litoral.

Quéménès é formada por milhas de areia, rocha e grama. Ela fica no arquipélago de Molène, na região da costa da Bretanha, entre o Canal da Mancha e o Oceano Atlântico.

É o lar de focas, pássaros marinhos, coelhos, um rebanho de ovelhas… e alguém tem que morar lá pra cuidar de tudo isso.

Após milhares de anos de ocupação humana, os últimos proprietários de Quéménès abandonaram a fazenda da ilha há 25 anos.

Foi então que a Agência comprou e passou manter a fazenda, que seria administrada por um casal.

A escolha

Pelo menos 20 candidatos se candidataram para substituí-los.

O prazo para a seleção terminou e os sucessores sortudos serão nomeados nas próximas semanas e deverão chegar no ano que vem à ilha.

mapailha

ilhageral

Trabalho romântico

Em 2007 David e Soizic Cuisnier receberam o trabalho mais romântico do mundo: viver em uma ilha deserta e manter a ilha viva.

Dez anos depois, os Cuisniers, – já com os filhos Chloé e Jules – estão se preparando para sair e ficarem mais perto da escola das crianças.

Inesquecível

“Se tivéssemos ouvido o conselho das pessoas há 10 anos, nunca teríamos feito isso”, diz David.

“Vir pra cá foi um ato de loucura gloriosa. Mas se transformou em uma aventura mais que maravilhosa. Transformamos a fazenda num negócio bem-sucedido. Criamos uma família. Foi inesquecível”.

A principal condição do arrendamento de Cuisniers era que eles deveriam ganhar seu sustento.

Assim, ao longo dos anos, eles se diversificaram em diferentes áreas.

Eles cultivam batatas e comercializam pela internet.

Foto: O casal Cuisnier e um dos filhos
Foto: O casal Cuisnier e um dos filhos

Sobre solidão os Cuisniers admitem que houve momento de crise, mas, eles estão longe de serem Robson Crusoé.

“O fato é que vivemos nos tempos modernos. Da fazenda podemos ver o continente e as outras ilhas habitadas. Nós temos a internet, temos visitantes constantes. Nunca nos sentimos sozinhos!”

Com informações da BBC