Cientistas transformam água do mar em potável em meia hora com luz solar

Foto: reprodução
Foto: reprodução

Um técnica revolucionária que pode ser a chave pra combater a escassez de água no mundo.

Cientistas australianos conseguiram transformar água salobra e água do mar em água potável segura e limpa, em menos de 30 minutos, usando estruturas metal-orgânicas – MOF – e luz solar, de acordo com informações publicadas na revista Nature Sustainability.

A equipe filtrou partículas nocivas da água e geraram 139,5 litros de água limpa por quilograma de MOF por dia, e realizaram esse trabalho com mais eficiência energética do que as práticas de dessalinização atuais.

Água potável

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, água potável de boa qualidade deve ter um total de sólidos dissolvidos -TDSc- de menos de 600 partes por milhão -ppm.

O grupo de pesquisadores alcançou um TDS de menos de 500 ppm em apenas meia hora e regenerou o MOF para reutilização em quatro minutos sob a luz solar.

O professor Huanting Wang, principal autor da pesquisa , do departamento de Engenharia Química da Monash University, Austrália, observou que este trabalho abriu uma nova direção para projetar materiais sensíveis a estímulos para dessalinização e purificação de água.

“A dessalinização tem sido usada para lidar com a escassez de água em todo o mundo”, garante Wang.

Fonte renovável

Devido à disponibilidade de água salobra e do mar, e porque os processos de dessalinização são confiáveis, a água tratada pode ser integrada aos sistemas aquáticos existentes com riscos mínimos para a saúde ”, comentou o professor Wang.

“A luz solar é a fonte de energia mais abundante e renovável do planeta.

Nosso desenvolvimento de um novo processo de dessalinização por adsorção usando luz solar para regeneração fornece uma solução de dessalinização com eficiência energética e ambientalmente sustentável ”, acrescentou.

Graças a essa pesquisa, uma nova rota foi encontrada para converter a água do mar em água potável para milhões de pessoas em todo o mundo.

O professor Huanting Wang, principal autor da pesquisa , do departamento de Engenharia Química da Monash University, Austrália
O professor Huanting Wang, principal autor da pesquisa , do departamento de Engenharia Química da Monash University, Austrália

Com informações da Nature