Mãe e filho separados na maternidade se reencontram 30 anos depois

807
Mãe consegue reencontrar o filho após 30 anos - Foto: arquivo pessoal
Mãe consegue reencontrar o filho após 30 anos - Foto: arquivo pessoal

A cozinheira Jussara Maria Fernandes teve o filho levado dos braços dela ainda na maternidade, quando tinha apenas 12 anos. Ele foi entregue a um casal francês e agora, trinta anos depois, uma ligação realizou o maior sonho que a mãe tinha na vida.

Jussara pôde reencontrar o filho Bruno e contou toda a história em um relato mais que emocionante.

A cozinheira explica que engravidou na adolescência. Ela foi abandonada pelo pai da criança, que tinha 20 anos e levada para São Paulo por uma médica, com promessa de cuidar da menina grávida.

“Ela [a médica] trouxe uma mulher que pegou meu filho dos meus braços e o levou. Eu não queria dar meu filho. O arrancaram covardemente”, lembra.

Vítima de violência doméstica

A médica “amiga” prometeu que cuidaria de Jussara durante a gravidez, mas quando chegou em São Paulo, as coisas mudaram.

“Essa médica, minha patroa, me colocou para dormir embaixo da mesa da cozinha. Me sentia muito humilhada e também sentia muito frio. Lá eu cozinhava, lavava e limpava todo o apartamento”.

Jussara também relatou que a ex-patroa disse que ela teria que dar o filho ao nascer. “Ela insistiu, dizendo que eu não podia cuidar de um bebê porque eu era analfabeta, não sabia ler, nem escrever”, lembrou.

A adoção da criança

Jussara chegou a registrar a criança por orientação da médica.

Ela lembra que um dia pediu para ver o menino, que batizou de Bruno.

Foi quando descobriu que o casal que o levou era francês e morava na cidade de Chantilly.

A procura 

Jussara teve mais dois filhos, mas ela conta que nunca esqueceu Bruno. Sempre teve vontade de procurá-lo, mas sem informações era impossível.

E o desejo do reencontro também morava com o filho. Bruno, que vivia na Suíça, conheceu uma brasileira chamada Ana, que o ajudou nas buscas.

“Essa moça, Ana, ofereceu ajuda. Ela trabalhava na defensoria pública de Brasília e conseguiu me encontrar […] Com meu nome em mãos, Ana começou a pesquisar na internet e em apenas cinco dias conseguiu me encontrar”, disse Jussara.

“Ana contou a ele que sua mãe era uma menina e, na época, não podia criá-lo. Parece que a mãe adotiva nunca escondeu do Bruno quem eu era”, complementou.

E a notícia veio no dia do aniversário de Jussara. ”Eu estava indo almoçar para comemorar meu aniversário quando meu celular tocou. Meu coração disparou quando Ana me perguntou se eu estava procurando meu filho”.

“Fiquei em choque, paralisada. Trinta anos depois! Quando ela me enviou a foto do meu filho eu mal sabia raciocinar naquele momento. Ele era a minha cara! Vibrei com essa constatação. Trocamos telefone, mas ele não falava português”.

O reencontro dos dois

Bruno veio ao Brasil e o reencontro entre mãe e filho finalmente aconteceu.

“Ao ver meu filho minhas pernas tremiam demais, me faltou até o chão. Acredito que esse foi o dia mais feliz da minha vida. Receber o forte abraço do meu filho 30 anos depois me revigorou, me trouxe a vida de volta”.

Ela conta que Bruno também a levou para conhecer os pais adotivos, que o criaram muito bem. Jussara pôde passar férias na Europa e descobrir mais sobre a vida do filho.

Hoje, ela comemora a vida e disse que se sente completamente realizada e confiante.

“Ganho meu dinheiro cozinhando – faço bolos, doces e salgados para festas e eventos. Também tenho me dedicado a escrever minha autobiografia. Se chamará ‘Telefonema de Brasília’.”.

Jussara e o filho Bruno - Foto: arquivo pessoal
Jussara e o filho Bruno – Foto: arquivo pessoal

.

Jussara e os três filhos - Foto: arquivo pessoal
Jussara e os três filhos – Foto: arquivo pessoal

O relato completo da Jussara foi publicado na Revista Marie Claire