Síndrome de Burnout é reconhecida como doença ocupacional pela OMS

-
Por Monique de Carvalho
Compartilhar
Imagem de capa para Síndrome de Burnout é reconhecida como doença ocupacional pela OMS
Segundo a OMS, a Síndrome de Burnout é uma doença ocupacional e precisa de atenção nas empresas - Foto: reprodução

Segundo a OMS, o esgotamento emocional é a maior causa de afastamento de trabalhadores nas empresas. E foi baseada nessa estatística, que a organização reconheceu a Síndrome de Burnout como doença ocupacional.

Na prática, esse reconhecimento significa que agora estão previstos os mesmos direitos trabalhistas e previdenciários assegurados no caso das demais doenças relacionadas ao emprego.

O anúncio foi feito no dia 1º de janeiro, mas somente agora, no final do primeiro trimestre do ano, é que as empresas estão se adaptando de fato com políticas de prevenção e cuidados para os colaboradores.

O que é a Síndrome de Burnout

A síndrome de Burnout é desencadeada pelo estresse crônico no trabalho. Ela se caracteriza pela tensão provocada pelo excesso de atividade profissional.

Entre os sintomas mais comuns estão o esgotamento físico e mental, a perda de interesse no trabalho e a ansiedade e a depressão entre os sintomas.

O diagnóstico é dado a partir de um laudo médico, detalhando todo o problema e informando o período de afastamento do trabalho.

O que muda para o trabalhador

Para a Organização Mundial da Saúde, a Síndrome de Burnout é classificada como “uma síndrome resultante de um estresse crônico no trabalho que não foi administrado com êxito” e que se caracteriza por três elementos: “sensação de esgotamento, cinismo ou sentimentos negativos relacionados a seu trabalho e eficácia profissional reduzida”.

Essa classificação, segundo o direito do trabalhador, torna de forma direta a ligação da doença com o trabalho, o que acaba por gerar responsabilização para o empregador.

No entanto, para que o colaborador faça uso dos direitos trabalhistas, é preciso comprovar a relação da doença com o trabalho.

Para casos que o Burnout é considerado doença preexistente, o empregador fica livre da obrigação de prestar a assistência psicológica ao funcionário.

De uma forma geral, esse reconhecimento da Síndrome de Burnout como doença ocupacional vai favorecer as relações trabalhistas, visto que os transtornos emocionais são os que mais provocam licença médica nos últimos anos.

Auxiliar de enfermagem é afastada sem direitos

A Patrícia Latsch é auxiliar de enfermagem e, em 2020, foi surpreendida com um diagnóstico de Síndrome de Burnout. Afastada do trabalho, ela não conseguia o auxílio trabalhista que tinha direito.

Da Síndrome de Burnout, a Pat desenvolveu uma artrite reumatoide, com hérnia de disco na lombar. As últimas consultas apontaram a necessidade de uma cirurgia, para evitar que ela não fique sem andar no futuro.

Foi precisando buscar outra fonte de renda para se manter, que a Patrícia mudou totalmente a perspectiva sobre os transtornos emocionais provocados pela Burnout.

Ela passou a vender trufas feitas pela irmã e descobriu uma nova paixão, além de um grande propósito: levar mais afeto para a vida das pessoas.

“Tudo o que não recebi na empresa na qual adoeci, chegou o momento em que precisei virar a mesa para sobreviver à depressão. Hoje entrego ao universo, amor, carinho, respeito, empatia, afeto e sempre recebo de volta tudo maior do que entrego e não há outra forma de adoçar a vida do que entregar esse carinho se não for pelo afeto, por isso não me intitulo vendedora e sim uma compartilhadora de afeto”.

Hoje, a Pat precisa de um triciclo para poder trabalhar, já que não consegue levar o carrinho das trufas pelas ruas, devido a cirurgia pela condição de saúde.

Lançamos uma vaquinha para ajudar essa auxiliar de enfermagem super do bem e com um alto astral maravilhoso a continuar o trabalho e levar mais amor para as pessoas através das trufas.

Para ajudar a Patrícia, acesse o Só Vaquinha Boa neste link e faça a sua doação!

 

Patrícia é auxiliar de enfermagem e está em tratamento para artrite reumatoide - Foto: arquivo pessoal

Patrícia é auxiliar de enfermagem e está em tratamento para artrite reumatoide – Foto: arquivo pessoal