Mãe doa rim e salva a filha: “Dei a vida a ela duas vezes”

-
Por Monique de Carvalho
Compartilhar
Imagem de capa para Mãe doa rim e salva a filha: “Dei a vida a ela duas vezes”
Mãe e filha antes da cirurgia para o transplante de rim - Foto: Comunicação Pró-Saúde/Divulgação

A história da mãe Agna Lessa Assunção, de 36 anos, inspira! Após 20 anos do nascimento da única filha, Adriana Almeida, ela doou um rim para que a jovem pudesse recomeçar.

Adriana tem lúpus desde os 14 anos. Há cerca de um ano e meio, a jovem foi diagnosticada com doença renal crônica e, desde então, precisava de hemodiálise.

Agna não pensou duas vezes e, em março, passou pelo transplante. “Ela é minha única filha e tudo que mais amo. Eu fiz a doação, mas o presente que realmente importa é vê-la se recuperando. Dei a vida a ela duas vezes”, contou emocionada.

Dia das Mães mais que especial

A transplante foi realizado no dia 22 de março, no Hospital Regional do Baixo Amazonas (HRBA), em Santarém. As duas já receberam alta e passaram o Dia das Mães em casa.

Agna é técnica em enfermagem e conhece muito bem a realidade das pacientes que precisam de um transplante no Brasil.

“Quando você se depara com a realidade de uma pessoa no leito de hospital esperando um transplante renal para se libertar é dolorido”, relatou a mãe.

“Se eu tivesse dez rins, todos eu doaria a minha filha. Eu seria capaz de ir para a máquina [de hemodiálise], só para dar a ela o outro rim. Amor de mãe é incomparável”, afirmou.

Hemodiálise era paliativo

Para Adriana, a indicação do transplante veio há um ano. Ela passava pela hemodiálise como um paliativo para o problema de saúde.

Ela já estava na fila nacional, para receber o órgão de um doador falecido, mas sabia que o processo é demorado e não havia tempo para esperar.

“Sabemos que isso pode demorar, por isso, alertamos a família sobre a possibilidade de doação entre pessoas vivas, onde geralmente encontramos compatibilidade entre os próprios familiares da paciente”, lembrou Emanuel Esposito, médico nefrologista que acompanhou o caso.

Mãe doadora

Após todo o acompanhamento pré-cirúrgico, a equipe estava certa de que a mãe cumpria todos os requisitos para o transplante de rim e poderia salvar a vida da filha.

Para Adriana, além de ter a chance de receber uma parte da mãe, ela conta que o transplante vai proporcionar mais condições de uma vida saudável.

“Realizava hemodiálise três vezes por semana. Eram quatro horas ligada à máquina e muitas vezes chegava em casa e passava mal, por ser um tratamento difícil”, compartilhou Adriana.

Uma nova vida

Na saída do hospital, Adriana e Agna receberam uma linda homenagem dos profissionais da unidade, que acompanham a luta da família e a fizeram questão de organizar um corredor de palmas.

“Agora é vida nova e esperanças renovadas. Agradeço a toda a equipe pelo acolhimento. É a minha nova chance, é minha oportunidade de viver melhor e eu consegui”, declarou Adriana.

Após melhora significativa e aceitação do órgão, Adriana segue em acompanhamento ambulatorial, realizando avaliações e exames periódicos, mas passa bem.

Profissionais de saúde do HRBA comemoraram com Adriana a alta hospitalar — Foto: Comunicação Pró-Saúde/Divulgação

Profissionais de saúde do HRBA comemoraram com Adriana a alta hospitalar — Foto: Comunicação Pró-Saúde/Divulgação

Mãe e filha antes da cirurgia para o transplante de rim - Foto: Comunicação Pró-Saúde/Divulgação

Mãe e filha antes da cirurgia para o transplante de rim – Foto: Comunicação Pró-Saúde/Divulgação

Em casa, Agna e Adriana comemoraram Dia das Mães de forma ainda mais especial — Foto: Comunicação Pró-Saúde/Divulgação

Em casa, Agna e Adriana comemoraram Dia das Mães de forma ainda mais especial — Foto: Comunicação Pró-Saúde/Divulgação

Com informações de DOL