Após 20 anos tetraplégica Mara Gabrilli volta a mexer os braços

11414
Fotos: arquivo pessoal/Mara Gabrilli
Fotos: arquivo pessoal/Mara Gabrilli

Por Rinaldo de Oliveira, da redação do SóNotíciaBoa.

Mais que superação, a brasileira Mara Gabrilli é a personificação de palavras poderosas como foco, determinação, fé, trabalho, persistência e sucesso.

No auge da juventude ela sofreu um grave acidente de carro, ficou tetraplégica aos 26 anos e ouviu do médico um diagnóstico assustador: “você tem 1 % de chance de voltar a se mexer”.

Esse ínfimo 1% – para muitos – pra ela serviu de mola propulsora, para Mara descobrir a guerreira que já existia dentro dela.

Hoje deputada federal por São Paulo, aos 48 anos de idade – depois duas décadas com movimento zero no corpo – Mara Gabrilli está conseguindo mexer os braços novamente.

Além da sensibilidade nos dois braços ela voltou a sentir outras partes do corpo, está melhorando o equilíbrio e tem uma novidade:

“Estou conseguindo fazer quatro posições com o braço: puxar pra baixo, pra cima, pra direita e para a esquerda. Já consigo pilotar a cadeira sozinha. Você tem noção do que é se deslocar sozinha, sem alguém me empurrando?”, comemorou em entrevista ao SóNotíciaBoa.(vídeo abaixo)

Ela contou que foi  “invadida por uma sensação de felicidade” recentemente, quando estava no aeroporto, acelerou sua cadeira e sentiu o frio e seus cabelos ao vento…

“Tem lugares do meu corpo que eu sinto que estão mexendo – quando alguém esbarra – mas não sei precisar o local”.

Veja como foi a primeira subida da rampa do Congresso Nacional, no mês passado, sem ajuda dos auxiliares, no video cedido com exclusividade ao SóNotíciaBoa:

Como

Mara Gabrilli diz que sua melhora não aconteceu do dia para a noite. Vem surgindo aos poucos, nos últimos 5 anos.

Ela credita a volta da sensibilidade do corpo a nove fatores e tratamentos que vem fazendo. O principal, segundo ela, é a eletroestimulação.

  1. Eletroestimulação: uma vez ao dia toma pequenos choques de estimulação em diversas partes do corpo, através de eletrodos colados por suas ajudantes. E também pedala com eletroestimulação.
  2. Implante de células-tronco: no ano 2000 fez o primeiro transplante de células tronco adultas do protocolo do Hospital das Clínicas de SP.
  3. Exercício pendurada: fica pendurada em casa, com elásticos e molas presos no teto, para anular a força da gravidade e o atrito e assim conseguir se mexer.
  4. Exercício de alongamento: usa uma bola e faz alongamentos por grupos musculares, como nos exercícios de academia.
  5. Exercício na água: “o banho de banheira traz flexibilidade para o corpo e para a mente. É um bálsamo. Fico solta, toda me mexendo”, conta.
  6. Yoga: pega posições da Yoga e vai desenvolvendo até parar na posição. “Isso demanda força e equilíbrio”.
  7. Dança: Mara gosta de dançar. Ela coloca músicas e fica em pé dançando com ajudantes.
  8. Suplementação alimentar: Ela toma 60 suplementos por dia. Tem uma verdadeira dieta de atleta, guiada por nutricionista.
  9. Pensamento positivo e vigiado: Ela observa o que pensa e a forma como age.
Fotos: arquivo pessoal / Mara Gabrilli
Fotos: arquivo pessoal / Mara Gabrilli

Mara Gabrilli diz que acredita muito na multiplicação das possibilidades da corrente elétrica dentro do corpo, da construção coletiva.

“A ideia que tenho é que tudo é possível, desde que haja treino e planejamento”.

Assista ao vídeo, cedido por Mara Gabrille ao SóNotíciaBoa, com um dos exercícios que a deputada faz para fortalecer a musculatura e conseguir de volta os movimentos do corpo.

A política

O acidente que parecia um fim, possibilitou uma transformação na vida de Mara e por consequência, na de  milhares de pessoas que ela vem ajudando.

A psicóloga e publicitária criou em 1997 o Instituto Mara Gabrilli – que ajuda atletas e pessoas com deficiência que moram em áreas vulneráveis.

Em 2007 entrou na carreira política. Foi eleita vereadora na Câmara Municipal de São Paulo. Depois foi Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida e hoje é deputada federal pelo PSDB de São Paulo.

Em seu gabinete em Brasília Mara tem vários funcionários com deficiência: “um cego, um surdo, um down, um autista, um com doença rara, e eu”, conta.

Mara vai além de apresentar projetos para melhorar a qualidade de vida de brasileiros com deficiência. Conhecida pelo bom humor e pela gentileza ela surpreendeu os deputados em novembro do ano passado, ao ficar de pé em sua cadeira de rodas e pedir em plenário a saída do presidente da Câmara, Eduardo Cunha. Veja:

Da redação do SóNotíciaBoa