Indiana que teve rosto queimado por ácido desfila em NY

1092
Foto: Getty Images
Foto: Getty Images

Um desfile de superação da violência surpreendeu as passarelas da moda em Nova York. (vídeo abaixo)

Uma vitória para Reshma Qureshi, que aos 17 anos teve o rosto desfigurado e marcado por um ataque de ácido feito por um  grupo de homens, incluindo o irmão dela.

A cena de covardia aconteceu quando ela caminhava com a irmã Gulshan na aldeia de Allahabad, Uttar Pradesh. O motivo? Vingança! Elas haviam denunciado o irmão de Reshna por um rapto.

A virada

Aos 19 anos a jovem se tornou o rosto da campanha #EndAcidSale – Pelo Fim da Venda de Ácido, em tradução livre –  promovido pela ONG Mumbai.

Ela estrela o vídeo  da campanha Faça amor, não Cicatrizes do YouTube (assista abaixo) e desfilou na semana de moda de Nova York, deixando a Índia pela primeira vez para subir na passarela como modelo na Big Apple.

Diversidade na moda

A FDL Moda, responsável pela participação de Reshma, uma plataforma pra jovens designers fundada pela italiana Ilaria Niccolini, promove a diversidade na moda com a campanha #TakeBeautyBack – Traga a
Beleza de Volta, em tradução livre – em colaboração com a inclusão global e Deficiência Fashion Week Online.

Após Madeline Stuart, a modelo com síndrome de Down que desfilou em Nova York no ano passado, a organização optou por convidar Reshma para inaugurar o primeiro dia de desfiles do estilista indiano Archana Kochhar .

“O desfile é importante não só para mim, mas para todas as meninas que tiveram o rosto desfigurado por ácido”, disse Reshma.

“Este desfile vai reforçar para aquelas pessoas que julgam as outras com base na aparência que não devem julgar um livro pela capa . Devemos olhar pra qualquer pessoa com os mesmos olhos. As pessoas tendem a olhar para as outras que sobreviveram a estes ataques a partir de um único ponto de vista. Eu quero que as coisas mudem”, completou Reshma.

De 2013 até hoje, conforme relatado pelo Guardian, a estimativa de ataques com ácido na Índia varia de cinco a cem mil a cada ano.

Com informações Marie Claire Italia