Cadeirante cria hand-bike e hand-car. Quer ajudar deficientes

1607

Por Rinaldo de Oliveira, da redação do SóNotíciaBoa.

Ele tem 34 anos e perdeu as pernas aos 25, no auge da juventude, quando foi atropelado por uma carreta na estrada, em Anápolis, Goiás.

“Eu trabalhava no posto de Anápolis, de mecânico de caminhão. Eu tava indo embora pra casa e um bi-trem tanque perdeu o controle e me atropelou na BR. O bi-trem de 20 toneladas “torou” minha duas pernas na hora”, contou em entrevista ao Canal SóNotíciaBoa. (vídeo abaixo)

Mas Maurivan da Silva Gama não se entregou… ao contrário! Passado um período curto de depressão, ele se renovou e descobriu coisas que nem ele imaginava que seria capaz de fazer sem as pernas.

“Ah, eu faço de tudo. Eu nado, brinco, desço de tobogã, subo escada, coloco cortina, instalo lustre, faço de tudo. Perder minhas pernas não tirou minha sabedoria”.

Hand-bike

Para facilitar sua locomoção, o Maurivan criou uma hand-bike, ou seja, uma bicicleta para se pedalar com as mãos.

“A coroa que fica no pé, joguei ela para a mão. Tem 21 marchas, chega a 60 km por hora. É uma hand-bike, porque você pedala na mão, então virou uma hand-bike. ( assista no vídeo abaixo)

Ele diz que uma bicicleta adaptada como a dele sai por cerca de R$ 1.500 reais e revela que tem um sonho:

“Eu fiz ela só pra mim, mas meu sonho é fazer para as pessoas deficientes que não têm condição de comprar, entendeu?”

“Se o pessoal do Teleton precisar de uma bike igual à minha, desse modelo, ou fabricar de outra forma para pessoas que tenham outro tipo de deficiência, eu estou à disposição de vocês. É só ligar”, avisa.

Hand-car

Mecânico desde a adolescência, Maurivan também adaptou o carro dele para dirigir com as mãos. Ele conta que com cerca de R$ 1 mil conseguiu fazer a engenhoca.

Hoje o hand-car serve para passear, fazer compras e também para trabalhar. Ele faz socorro mecânico com o veículo adaptado.

“A embreagem é na mão esquerda, o freio na mão direita e acelaração na alavanca de marcha. Puxo o gatilho aqui e ele acelera normal”. conta (assista no vídeo)

Sem grana

Maurivan está em dificuldades financeiras, como a maioria dos brasileiros. Ele se vira como pode para trabalhar e não permite que a deficiência atrapalhe sua vida profissional.

Quando chegamos para grava a reportagem – nos prédios do Minha Casa Minha vida, no Paranoá, a 20 km de Brasília – ele estava fazendo o motor do carro de uma cliente.

“Se não dá pra subir com as pernas, você bota uma escada, você sobe. Você bota uma cadeira, você sobe. Então você tem que usar a cabeça e se virar nos 30 e não se dar por vencido. Tem que criar vergonha, ter força e encarar o que vem pela frente”, ensina.

Assista:

Serviço

Maurivan da Silva Gama

Socorro mecânico, hand-bike e hand-car

61- 98486-8886

Da redação do SóNotíciaBoa