Pesquisadores criam material de celulose que filtra vírus

Foto: Universidade de Tecnologia de Queensland
Foto: Universidade de Tecnologia de Queensland

Pesquisadores australianos desenvolveram um material, feito a partir de celulose das árvores, para deter vírus, entre eles o coronavírus. O produto poderá ser utilizado em máscaras e até como filtro de ar condicionado.

O professor Thomas Rainey, da Universidade de Tecnologia de Queensland, na Austrália, acredita que usando um material biológico natural, a celulose, é possível fazer um filtro contra vírus que pode funcionar em múltiplas aplicações, das máscaras individuais a filtros industriais para sistemas de ar-condicionado.

“Este é um fator importante para pessoas que precisam usar máscaras por longos períodos ou com problemas respiratórios”, disse.

Além disso, o filtro é tão poderoso que pode funcionar como proteção antipoluição porque captura até partículas nanométricas presentes na poluição do ar.

Material testado

“Nós desenvolvemos e testamos um material de nanocelulose altamente respirável que pode remover partículas menores que 100 nanômetros, do tamanho de vírus,” disse Rainey.

“Vejo muitas pessoas usando máscaras que não são testadas quanto a vírus. Testamos esse material minuciosamente e descobrimos que ele é mais eficiente em sua capacidade de remover nanopartículas do tamanho de vírus do que as máscaras de alta qualidade disponíveis comercialmente que testamos e comparamos”, disse.

A equipe também testou o novo material quanto à respirabilidade.

“Por respirabilidade entendemos a pressão, ou esforço que o usuário tem que usar para respirar através da máscara. Quanto maior a respirabilidade, maior o conforto e a redução da fadiga,” disse o pesquisador.

Mais respirável

Os testes mostraram que o filtro à base de celulose – nanocelulose é a celulose quebrada em fibras na escala dos nanômetros, ou bilionésimos de metro – é mais respirável do que as máscaras comerciais, incluindo as máscaras cirúrgicas.

O material também pode ser usado como um cartucho de filtro descartável para máscaras faciais.

“Este material seria relativamente barato de produzir e, portanto, adequado para uso único (descartável).

“A nanofibra de celulose é feita a partir de resíduos de plantas, como bagaço de cana e outros resíduos agrícolas, e é, portanto, biodegradável. Ela pode ser fabricada com equipamento relativamente simples e, assim, podemos produzir rapidamente grandes quantidades do material”.

“Estabelecemos a prova de conceito como material de filtração nanoparticulado e atualmente estamos buscando parceiros na indústria,” concluiu Rainey.

Com informações Diário da Saúde e Journal of Natural Fibers