NASA transforma dados da Via Láctea em música e viraliza: prece dos céus

Os cientistas da Nasa tranformaram os dados da Via Láctea em sons graças a um processo conhecido como sonificação.

O resultado é uma música que nos faz “escutar” nossa galáxia. Isso acabou viralizando e muitos classificaram a música como “prece dos céus”, ou “os céus cantando louvores”.

Em nota à imprensa, a Agência Espacial dos Estados Unidos explicou que ‘Sonificação’ é o processo que traduz dados em som e leva o centro da Via Láctea aos ouvintes pela primeira vez.

A Nasa compartilhou nas redes sociais o resultado da “sonificação” das imagens do centro da Via Láctea, capturadas do Observatório Chandra e de outros telescópios. (vídeo abaixo)

O espaço é muito silencioso, porque é quase todo o vácuo e não há moléculas para as vibrações de áudio se moverem, mas os cientistas descobriram uma nova maneira de criar música a partir do espaço entre as estrelas, explicou a agência.

Sons a partir de imagens

A tradução dos dados em música foi feita a partir de uma imagem.

Começa no lado esquerdo e segue para o direito, com os sons representando a posição e o brilho das fontes.

A NASA disse que a luz dos objetos localizados no topo da imagem é ouvida em tons mais altos, enquanto a intensidade da luz controla o volume.

As estrelas e as fontes compactas são combinadas em notas individuais, enquanto nuvens extensas de gás e poeira produzem um ‘drone em evolução’.

Viral

Desde que foi compartilhada, a postagem teve mais de 11.000 visualizações no Twitter, com milhares de curtidas e comentários. Um usuário da Internet escreveu:

“É como transformar fotos numa caixinha de música”, ou”são preces dos céus”, e outro acrescentou: “Tecnologia incrível”.

Outro usuário disse: “É por isso que adoro sinos de vento. Eles me conectam com o universo. Ciência e arte são uma combinação feita no céu ”.

“Isso é “de verdade” … a imagem criou uma bela canção”, disseram internautas em milhares de comentários.

A Nasa compartilhou o resultado da pesquisa em um vídeo no YouTube.

Com informações do Republic World/NASA