Suplemento de algas pode reduzir em 80% gases emitidos por vacas

Vaca leiteira - Foto: Pixabay /wernerdetjen
Vaca leiteira - Foto: Pixabay /wernerdetjen

Um novo suplemento alimentar à base de algas marinhas é capaz de eliminar em 80% o teor do gás metano emitido por vacas leiteiras e de corte.

Os arrotos de gado são estudados há muito tempo por especialistas e sozinhos representam 5% dos fontes de gases de efeito estufa no mundo, que provocam o aquecimento global.

O suplemento de algas foi produzido por uma empresa australiana chamada FutureFeed Ltd.

De acordo com a empresa, se apenas 10% dos rebanhos bovinos do mundo consumissem o suplemento, seria o mesmo que tirar 50 milhões de carros das estradas.

Testado ao longo de cinco anos com a ajuda da agência científica nacional australiana (CISRO), o suplemento é baseado em uma espécie de alga marinha chamada Asparagopsis e foi considerado seguro para uso vitalício em vacas.

Investimento

US $ 13 milhões já foram garantidos de cinco investidores para permitir que a FutureFeed estabeleça toda a cadeia de fornecimento – do cultivo de algas marinhas à produção e distribuição.

A empresa espera que o aditivo para ração seja fornecido ao mercado australiano de carne bovina e laticínios em meados de 2021. Depois ele seguirá para outros países.

Redução na emissão

Eles emitem metano, um poderoso gás de efeito estufa, que é 28 vezes mais poderoso do que o dióxido de carbono no aquecimento da Terra, ao longo de cem anos.

Mas como metano permanece na atmosfera por 12 anos, em comparação com o ciclo de vida de CO2, isso significa que o suplemento do FutureFeed precisará de apenas alguns anos para apagar a pegada atmosférica da produção de metano do gado.

“O FutureFeed permite que a agricultura e o meio ambiente sejam parceiros e não concorrentes, ajuda a superar as percepções negativas da indústria pecuária e dá aos fazendeiros australianos uma vantagem no mercado global como primeiros a adotar essa inovação australiana”, disse o presidente-executivo, Dr. Larry Marshall, do CISRO.

A Suíça também produziu no início do ano um suplemento similar, mas à base de alho.

Chamado Mootral, ele reduziu as emissões de metano das vacas em até 38%, menos do que FutureFeed, mas a competição de mercado é importante para impulsionar a inovação.

Com informações do GNN