2021 reserva mais espetáculos no céu: 3 superluas e 4 eclipses

Foto: Pixabay
Foto: Pixabay

O ano começou com uma chuva de estrelas, mas vem muito mais por aí: 3 superluas e 4 eclipses.

O calendário astronômico de 2021 é intenso e ainda tem mais chuvas de meteoros previstas.

Também estão na previsão do calendário, conjunções de planetas, que trazem espetáculos brilhantes e impressionantes para quem ama observar o céu.

Eclipses

Entre os quatro eclipses que acontecerão este ano, apenas dois serão vistos parcialmente na América Latina.

Entre eles, o eclipse lunar total de 26 de maio e o eclipse lunar parcial de 19 de novembro.

Um eclipse solar acontece quando a Lua se coloca exatamente entre o Sol e a Terra, formando uma sombra que incide sobre uma região do planeta.

O fenômeno “anular” é quando a Lua não consegue cobrir totalmente a luz do Sol, formando um anel de luz em seu entorno.

Já os eclipses lunares acontecem quando a Lua é coberta total ou parcialmente pela sombra da Terra. Este fenômeno pode ser visto a olho nu.

Eclipses do ano

26/05 – Eclipse lunar total
10/06 – Eclipse anular do Sol
19/11 – Eclipse lunar parcial
04/12 – Eclipse solar total

Superluas do ano

08/04 – Superlua “Rosa”
26/05 – Superlua “Flores”
24/06 – Superlua “Morango”

O fenômeno acontece quando a Lua se encontra ao mesmo tempo na fase cheia e no ângulo mais próximo possível da Terra, chamado de perigeu.

A órbita da Lua na Terra não é uma circunferência, mas um pouco mais achatada, então ela passa por pontos mais distantes e pontos mais próximos em sua rota.

Chuvas de meteoros do ano

02-03/01 – Quadrantídeos ( *aconteceu na madrugada de sábado para domingo)
22-23/04 – Líridas
6-7/05 – Eta Aquarídeos
28-29/07 – Aquarídeos delta
12-13/08 – Perseidas
07/10 – Draconídeos
21-22/10 – Orionidas
4-5/11 – Taurídeos do Sul
17-18/11 – Leônidas
13-14/12 – Geminidas
21-22/12 – Ursidas

Chuvas de meteoros acontecem quando na órbita do nosso planeta em torno do Sol, atravessamos uma região que um cometa já passou.

Esses corpos celestes deixam um rastro de detritos para trás, podendo ser gelo,poeira, pedras e outras partículas.

Ao entrar em nossa atmosfera, eles criam o fenômeno que chamamos de estrelas cadentes.

Com informações da CNN