Órfã da Covid que emocionou CPI recebe apoio de internautas com vaquinha

1089
Giovanna se tornou órfã da covid e emocionou a todos com seu depoimento na CPI - Foto: reprodução / TV Senado
Giovanna se tornou órfã da covid e emocionou a todos com seu depoimento na CPI - Foto: reprodução / TV Senado

Há três meses, a estudante de odontologia, Giovanna Gomes Mendes da Silva, de 19 anos, se tornou mais uma brasileira órfã da Covid.

Os pais dela faleceram com apenas 14 dias de diferença. Agora, sendo a nova chefe de família, ela requereu a guarda da irmã de 11 anos para que pudessem ficar juntas.

Para ajudá-la no sustento de casa e no futuro dela e da irmã, abrimos uma vaquinha no Só Vaquinha Boa. Você pode apoiá-la nesse momento tão difícil clicando aqui.

A sua história ficou conhecida após emocionar a todos com o seu relato na audiência pública da CPI da Covid que aconteceu nesta última segunda- feira (18). O intérprete de libras que fazia a transcrição, não aguentou a emoção e teve que ser substituído.

Morando com avós

Hoje, elas estão morando com os avós maternos que sustentam a casa apenas com a aposentadoria. Vivem na residência mais três tios, mas apenas uma tia está empregada como professora. Eles contam com doações de parentes e amigos para esse momento tão difícil.

A vaquinha é para auxiliar a Giovanna e sua família no sustento por alguns meses e garantir o futuro dela e de sua irmã. Ela ainda aguarda o processo da pensão de morte que receberá somente do pai, mas será um pequeno valor.

“Eu vi que precisava da minha irmã e ela precisava de mim, eu me apoiava nela e ela se apoiava em mim. A partir dali, vi que eu não poderia ficar mais sem ela”.

“Meu pai tinha uma voz linda, cantava para eu e minha irmã dormir desde sempre”

A mãe, de 48 anos, era transplantada e fazia hemodiálise, ficou 10 dias internada. Ela era educadora social e, por meio de uma ONG, lutava pelo direito de crianças e adolescentes.

O pai, que tinha 51 anos, sofria de câncer, e ao contrair a covid, a doença se acelerou ao extremo. Ele morreu após 22 dias internado. Formado em ciências contábeis, era servidor público.

A palavra união era a base da família. “Estávamos sempre juntos, sempre mesmo”. A sua mais doce memória do pai é de como ele cantava todos os dias para ela e a irmã.

Sonho de fazer medicina

O sonho da Giovanna sempre foi cursar medicina, mas após tudo que aconteceu, ela abraçou o curso de odontologia, já que conseguiu uma bolsa pelo Sisu. Hoje, ela estuda em horário integral.

“Entrei porque precisava garantir o mais rápido possível o meu futuro e o da minha irmã. Quero ter condições de ajudá-la a realizar seus sonhos”.

Podemos apoiá-la nesse momento tão difícil. Clique aqui e contribua com a vaquinha da Giovanna!