Professora brasileira cria robô cão-guia e ganha prêmio internacional

1105
A robô cão-guia Lysa tem mudado vidas e ganhou prêmio internacional -Fotos: Reprodução / Instagram @neidesallin
A robô cão-guia Lysa tem mudado vidas e ganhou prêmio internacional -Fotos: Reprodução / Instagram @neidesallin

A professora pública Neide Salim, de 41 anos, criou um robô cão-guia para ajudar pessoas com deficiência visual. E o projeto, que tem mudado a vida de milhões de pessoas desde que foi criado, em 2011, ganhou um prêmio internacional agora em novembro.

A startup da professora, a Vixsystem, que produz a Lysa, foi uma das 12 selecionadas em uma competição de pitch (apresentação de ideias) no Slingshot 2021, um dos maiores polos de inovação do mundo, em Singapura, na Ásia.

O concurso contou com quase 5.000 empresas inscritas. O prêmio para a startup capixaba e para as demais empresas do top 12 será de US$ 50 mil (R$ 282 mil).

Ideia veio de uma aluna

Apelidado de Lysa, o equipamento de acessibilidade obedece a comandos de voz, faz mapa do espaço, identifica objetos em várias alturas e alerta o usuário.

Lysa não abana o rabo, não late, mas faz todo o trabalho essencial de um ‘cão-guia’.

O desenvolvimento começou em 2011 a partir da ideia de uma aluna. Neide contou que dava aulas de robótica para o Ensino Médio de uma escola municipal, no centro de Serra, no Espírito Santo.

Durante uma dessas aulas, ela trabalhou o tema “projetos sociais” como lixeiras automáticas para reciclagem. Foi quando uma aluna perguntou se poderiam fazer um robô-cachorrinho para ajudar as pessoas que não enxergam.

A ideia ficou na cabeça e a professora, que tinha uma aluna cega, passou a conversar com ela para entender as necessidades do dia a dia.

“Foi quando eu soube que desviar de objetos suspensos era o seu maior desafio”, disse.

Hoje a professora tem uma startup

O primeiro protótipo de Lysa foi feito com peças de ferro velho. A aluna testou e afirmou que aquilo iria mudar a vida dela.

A partir desse momento, Neide fez do robô seu projeto de vida. Ela deixou a profissão, levou o robô para o reality show “Shark Tank” e saiu de lá com R$ 200 mil e quatro sócios.

“As coisas começavam a andar, e daí veio a pandemia. Tivemos de paralisar os testes, e a única coisa que pude fazer foi correr atrás de financiamento, caçar editais. Deu certo de novo. Captei R$ 3 milhões e iniciei, enfim, a produção”, disse.

O apoio foi dado por três fundos públicos de amparo à pesquisa de São Paulo, Rio e Espírito Santo.

O recurso permitiu melhorias na versão final do robô, que pode ser programado para gerar mapas de ambientes fechados, permitindo uma verdadeira navegação.

O valor do robô é três vezes menor que um cão-guia

Lysa tem custo estimado de R$ 15 mil. O valor é três vezes menor que os R$ 60 mil necessários para que um animal vire guia.

Hoje, por causa do custo, do tempo de treinamento (dois anos) e do baixo número de instrutores capacitados, a fila de espera por um cão-guia soma mais de 500 nomes.

Com informações de Pais&Filhos