Gentileza gera gentileza, e salva vidas

-
Por Bruno M.
Compartilhar
Imagem de capa para Gentileza gera gentileza, e salva vidas
Gentileza gera gentileza, frase do profeta da gentileza no Brasil, José Datrino - Foto: arquivo

Na Noruega, o empregado de um frigorífico, ao fim de um dia de trabalho, foi inspecionar a câmara frigorífica.

Inexplicavelmente, a porta se fechou e ele ficou preso dentro da câmara. Bateu na porta com força, gritou por socorro, mas ninguém o ouviu.

Todos já haviam saído para suas casas e era impossível que alguém pudesse escutá-lo. Já estava há quase cinco horas preso, debilitado com a temperatura insuportável.

De repente a porta se abriu e o vigia da empresa entrou na câmara, resgatando-o com vida.

Depois de salvar o homem, perguntaram ao vigia: Por que foi abrir a porta da câmara, se isto não fazia parte da sua rotina de trabalho?

Ele explicou: “Trabalho nesta empresa há 35 anos, centenas de empregados entram e saem aqui todos os dias e ele é o único que me cumprimenta ao chegar pela manhã e se despede de mim ao sair.

Hoje pela manhã disse “Bom dia”, quando chegou. Entretanto, não se despediu de mim na hora da saída. Imaginei que poderia ter-lhe acontecido algo. Por isto fui procurá-lo”.

Gentileza

Esta história serve para nos fazer lembrar a importância de certas atitudes, simples, corriqueiras e, para muitos, até sem importância, como um cumprimento, um sorriso, um agradecimento. São pequenas gentilezas que podem até mudar o destino de uma pessoa.

Isso me faz lembrar o “Profeta Gentileza”, uma dessas criaturas incríveis que Deus coloca no mundo a fim de abrir os olhos dos Homens para verem o que é óbvio e está à bem sua frente.

Por mais de 30 anos José Datrino (o Profeta Gentileza) circulou pelas ruas do Rio de , e outros cantos, vestindo uma túnica branca, carregando um estandarte e proclamando aos quatro ventos que a gentileza é o remédio para todos os males.

Marcou sua filosofia nas 55 pilastras do Viaduto do Caju, à entrada da cidade, em frases que falavam da importância do amor ao próximo:

  • “Viva com simplicidade. Ame generosamente. Cuide-se intensamente. Fale com gentileza. E, principalmente, não reclame. Se preocupe em agradecer pelo que você é, e por tudo o que tem! E deixe o restante com Deus”; ou
  • “As grandes oportunidades de nossas vidas são geradas por uma coisa sem despesa: a gentileza”

Filósofos, pensadores e grandes mestres escreveram livros, ensaios, tratados para explicar o que a simplicidade popular desvenda e torna explícita.

Não que todo esse trabalho intelectual não tenha valor, claro que tem.

Mas, o que precisamos entender é que a essência das coisas é tão simples e tão fácil.

É só uma questão de boa vontade colocá-la em prática.

Não custa nada ser gentil, seja em casa com a família, na escola, no trabalho, no trânsito, enfim, na vida.

E tem mais: cumprimentar com bom dia, boa tarde, boa noite e um sorriso, pedir por favor, com licença, desculpar-se e agradecer são atitudes que não caíram de moda, continuam atualíssimas, pode ter certeza.

Gentileza não é pieguismo, pelo contrário, é elegância, ética e modernidade.

E tem um detalhe: a gentileza poder salvar sua vida, ou, como dizia o Profeta Gentileza:

  • “Nunca é cedo para uma gentileza, porque nunca se sabe quando poderá ser tarde demais”.

Pois é, nunca se sabe!

Por Luisa Borges, de São Paulo, para o Só Notícia Boa